segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

Parceria com sua Intuição

Mensagem com Jennifer Hoffman

31 de Dezembro de 2017

Olá a todos. Espero que você tenha aproveitado a sua comemoração do Natal e que esteja ansioso para o Novo Ano que começará muito em breve. Por que alguns dias fazem uma diferença na energia? Em primeiro lugar, porque muitas pessoas veem o novo ano como um novo início, de modo que a energia da “novidade” é expandida. Em segundo lugar, a numerologia muda (os símbolos sagrados incluem números e as suas frequências) e mudamos do 1 de 2017 (2+0+1+7) para 11 ou 2 de 2018 (2+0+1+8 = 11 ou 1+1=2). Assim, temos a energia do número mestre 11 mais a energia do 2. Então, teremos estas duas energias funcionando em harmonia durante todo o ano.

Todo este movimento de energia está transformando as nossas realidades de cabeça para baixo e de dentro para fora. Como sabemos qual é o melhor passo a dar quando tudo mudou?Precisamos confiar em nossa intuição, que é a nossa conexão com a energia da 5D e com a Fonte. Se você está “atordoado e confuso” com todas as mudanças que estão acontecendo, tanto para você quanto para o mundo, é porque você é sensível à energia, e você sente tudo isto. Faça um pouco de respiração consciente e verifique com a sua intuição. Esta é a lição da mensagem desta semana e uma canalização maravilhosa do Arcanjo Uriel.

Como você sabe o que é certo ou errado agora, quando tudo está mudando? À medida que a 3D continua a se desintegrar ou a desmoronar, a base do que você conheceu como a sua realidade está sendo transformada da materialidade para a potencialidade. As regras da matéria não mais se aplicam e estão sendo substituídas pela possibilidade e pelo potencial. O “impossível” é agora uma consideração e novos potenciais dão origem a novas escolhas. Como você sabe o que escolher? Sua intuição é o seu guia agora, é a luz para o seu caminho da 5D e um guia para os novos reinos do potencial e do ser.

Sua intuição é a pequena e tranquila voz que você pode ouvir quando está ouvindo com o seu coração, quando você está aberto à conexão com o seu Eu, e quando você acredita e aceita o seu próprio poder divino. Sua intuição é mais do que um sistema de orientação interior, é o ponto de interseção entre o humano e o divino, sua conexão com a Fonte, a voz através da qual o seu Eu Superior se expressa, a fonte de informações que está livre de preconceitos, do medo e de emoções. Sua intuição se expressa através de sua frequência energética mais elevada e do potencial de vibração, assim ela opera a partir do ponto de interseção entre a sua humanidade e a sua divindade.

Ouvir a sua intuição significa que você confia que a sua conexão com a Fonte está sempre presente e que está operando para o seu bem maior. Você pode confiar em sua intuição e em sua orientação e está preparado para viver a partir de um ponto de empoderamento? Você está preparado para desintegrar as bases da densidade da 3D e as suas limitações, e se expandir para a criatividade e a conexão com a 5D?

O potencial pode ser emocionante, enquanto que as mudanças necessárias para a transformação podem ser desafiadoras. Suas oportunidades não desaparecem se você não estiver pronto, elas irão aguardar que você chegue a novos pontos de alinhamento para que você possa se render a essa transformação. Sua intuição irá lembrá-lo de sua presença. É uma decisão que você deve tomar por si mesmo, quando estiver pronto para confiar em seu próprio poder. Muitos de vocês temem que sua intuição lhe diga a coisa "errada" ou algo que não seja adequado para você, mas ela surge da luz e da sabedoria da Fonte, por isso nunca pode estar errada ou incorreta. Se você não confia, talvez você ainda não esteja pronto para compreender o seu potencial de empoderamento.

Porque a sua intuição faz parte do seu campo de energia, sua orientação não pode estar errada para você. Se, às vezes, ela parece ser diferente do que você espera ou antecipa, é porque, neste momento, no ciclo de ascensão e da integração 3D / 5D, você está sendo desafiado a expandir todos os aspectos do seu caminho de vida e se abrir para todas as possibilidades que surgem do seu maior potencial. Quando sua intuição lhe fornecer orientação que você não compreende, peça confirmação. E confie que esta lhe será dada.

A nova Era da Luz está disponível a todos os que estão preparados para se expandir a partir da densidade para a criatividade, para se tornarem co-criadores em novos níveis de ser. A ascensão é um processo de ascensão para novas freqüências de energia e transcensão, permitindo que essas frequências se tornem parte de seu campo de energia e se manifestem em sua realidade. A Intuição é o seu guia para o potencial da sua realidade da 5D e o que está além do seu caminho da 3D. Ela irá ajudá-lo a fazer as escolhas que o servem em cada momento. Não se julgue pelo seu medo; reconheça cada passo importante em sua jornada e quando estiver pronto para se alinhar com um novo potencial para sua vida, sua intuição e sua orientação estarão presentes para ajudá-lo.

Você não pode explorar os reinos da Fonte, a energia e o Espírito, sem a sua orientação intuitiva, assim dê pequenos passos e abra o seu coração para aprender a alegria, a realização, a paz, o potencial e o propósito que estão disponíveis para você. Qualquer orientação confusa ou desconhecida que você receba da sua intuição vem de um maior nível de potencial do que você está experimentando atualmente. Ela está aí para que você conheça a variedade de opções que estão agora disponíveis para você. Confie em sua orientação e sabedoria, acolha-as como suas parceiras e avance com confiança, sabendo que quando você escuta sua intuição, você está se alinhando com sua freqüência e potencial energético mais elevados e integrando a sua humanidade com o seu eu divino em cumprimento de sua missão de luz de integração com a 5D.

http://enlighteninglife.com

Tradução: Regina Drumond - reginamadrumond@yahoo.com.br

Seja Árvore

Como acabar com a dualidade continuando a viver no mundo?

Como fazer com que o jogo do bem e do mal, do certo e do errado, termine definitivamente em nós?

Enquanto fazia esta pergunta a imagem que me vinha era a de uma árvore.

A árvore está plantada nas suas próprias raízes. Ela não anda de um lado para o outro à procura do alimento e da energia que necessita para viver. Ela simplesmente firma as suas raízes na terra e abre as suas folhas ao céu, e tudo o que necessita está ali, sem que nada tenha que procurar.

Para ela não há caminhos a percorrer, nem histórias a inventar... E apesar da sua imensa sombra projectada a seus pés, não existe nela o desejo de ofertar essa sombra a quem necessite proteger-se do sol. E apesar dos seus frutos doces e nutritivos, não existe nela o desejo de os doar aos homens para que estes sejam saudáveis... ela simplesmente, de forma humilde e despojada, expressa a sua natureza, e através da presença dessa natureza a sombra sempre estará disponível para quem necessitar e os frutos sempre estarão na árvore prontos a servir aqueles que os vierem buscar.

Para uma árvore só aquele instante é real. Os homens passam ao largo e ela não os chama, não vai atrás deles para impor a sua presença... simplesmente está ali, entregue ao momento. E quando os homens vierem e se sentarem na sua sombra, dela jorrará uma imensa alegria, fruto da certeza que tudo está no seu lugar exato, sem apego nem desejo que eles ali fiquem para sempre. E depois de partirem ela continuará a ser a mesma árvore, de raízes profundas na terra e folhas lançadas ao sol. E quando os homens vierem e levarem os seus frutos, dela jorrará essa mesma alegria pelo serviço prestado, sem apego, nem desejo, nem a vontade de que esses frutos possam ajudar a curar as feridos desses homens, pois ela simplesmente expressa a sua natureza e os frutos dessa natureza são de todos e não seus. E quando ela receber o dióxido de carbono que os homens expelem e o converter em oxigénio que lhes dará a vida, não o fará a pensar nos homens, nem no bem que estará a praticar, mas fá-lo-á simplesmente porque esse é o seu próprio respirar.

E um dia, quando dos seus troncos penderem sementes prontas para despontar, não haverá nela o desejo de que estas caiam na terra e germinem em novas árvores, pois será o vento que determinará o ritmo dessa sementeira; que lançará essas sementes pelo ar, conduzindo-as a lugares que o olhar dessa mesma árvore nem sequer alcançará. Se ela quisesse impor o seu próprio ritmo e, no desejo de ver essas sementes florirem, sacudisse a árvore, todas as sementes cairiam a seus pés e as árvores que dali nasceriam acabariam por sufocá-la e tapar-lhe o sol. É o vento que determina o tempo certo das sementes se soltarem e é ele que as conduzirá ao lugar aonde têm que chegar. A nossa árvore limitar-se-á a contemplar a magia da vida sem interferir com os seus ciclos e ritmos próprios, permanecendo firme nas suas raízes e leve nos seus ramos que se dobram suavemente, sem rigidez, sempre que o vento soprar, mesmo quando esse vento se transformar em tempestades. E nessa dança, nessa melodia deixada pelas fragrância que a Vida revela através da sua presença, nada mais ficará do que a PAZ. E é nessa PAZ que toda a dualidade se desfaz. Paz Profunda, Pedro Elias



pedroelias.org/artigos/item/40-sejamos-arvores

A Verdadeira Liberdade

Aos olhos da nossa personalidade, a vida é feita de escolhas e a cada instante temos que pesar em nós o que realmente é importante e essencial para a nossa caminhada neste mundo.



Podemos optar pelos belos fogos de artifício que nos deslumbram e fascinam mas que, de tão efémeros, logo desaparecem sem que as nossas mãos os possam tocar, ou podemos optar pelas sementes que se lançam à terra e das quais não temos notícia por algum tempo, mas que um dia se transformarão em árvores robustas de onde brotarão os frutos que nos nutrirão.



Nos fogos temos o fascínio e o deslumbre do momento, o estímulo de quem busca satisfazer um prazer momentâneo e fugaz, um prazer que nos alimenta o ego, numa alegria forçada que logo se transforma num imenso vazio. Saltamos assim, de espetáculo em espetáculo saciando-nos com momentos que nada nos trazem, para além dos aplausos extasiados do cessar dos fogos, que logo se calam no vazio de um céu que se tornou negro depois de todas as cores que nos inebriaram.



Nas sementes temos a promessa de algo que não se desfaz, mesmo que ali nada esteja diante dos nossos olhos que apenas a terra lavrada. Não há fogos nem luzes, não há nenhum espectáculo para além daquele que a própria Vida nos traz na sua simplicidade. Ali, apenas está a promessa de algo tão sagrado que pede de nós o cuidado e a sensibilidade de estar presente sempre que for necessário, regando essa promessa com o amor que fará com que um dia as sementes sejam árvores e das árvores brotem frutos.



Enquanto inebriados pelas mil cores dos fogos, nada temos que ceder de nós. O nosso espaço é todo nosso. Vivemos para nós e em função do nosso prazer. Mas, nas sementes, temos esta coisa mágica que é saber ceder parte dessa liberdade efêmera que julgamos tão importante, e que na verdade nada é, em função do tempo que for necessário para regar aquela promessa e transformá-la na realidade que, um dia, nos dará sombra e frutos para comer.



Frutos que acabarão por nutrir todos aqueles que no vazio deixado pelo fascínio desses fogos se perderam de si mesmos, julgando que conquistavam uma liberdade que nunca existiu, pois sem a entrega plena a algo que nos transcenda continuaremos escravos de nós mesmos.



Que possamos compreender que a verdadeira liberdade vem do compromisso que assumimos para com essas sementes e não no caminhar de espetáculo em espetáculo, seja este material ou espiritual, pois na noite escura de um céu que se apagou, encontrar-nos-emos amordaçados pelo egoísmo que nos consumirá e do qual seremos escravos de uma liberdade que nunca o foi. Paz Profunda, Pedro Elias


pedroelias.org/

postado por Fátima dos Anjos

Uma Nova Visão do Karma


Publicado por Fatima dos Anjos em 1 janeiro 2018 às 14:00 em CHAMA TRINABack to CHAMA TRINA Discussions



Nas antecâmaras do tempo, ecoa ainda hoje o Sim que todos nós pronunciamos quando nos foi perguntado se estávamos dispostos a servir no planeta a que damos o nome de Terra. De diferentes moradas cósmicas, de diferentes quadrantes deste Universo-Mãe, legiões de seres deslocaram-se para aqui com a tarefa de ajudar na elevação deste sistema a uma dimensão eléctrica e não mais fricativa, permitindo que a Kundalini do Logos Planetário pudesse subir do seu Plexo Solar, onde se encontra actualmente polarizada, para o Chacra Cardíaco onde irá estabilizar após as mudanças que se avizinham.



Sim, porque quando se diz que este planeta é vivificado por uma Consciência Logóica, o que na verdade se está a dizer é que as Doze Terras Dimensionais são vivificadas por Ela, sendo cada uma a representação simbólica do sistema chácrico do próprio Homem. A Humanidade de Terceira Dimensão é, desse modo, uma expressão da energia do Terceiro Chacra Logóico, caminhando hoje a consciência do Homem para a sintonização com a energia do Chacra Cardíaco do Logos onde se polarizará com a nova expressão dimensional do planeta: a chamada Nova Terra.



Quando aqui chegamos foi-nos dada uma tarefa, uma função específica dentro do plano que a Hierarquia delineou e do qual somos uma peça de uma imensa Engrenagem Cósmica. Essa tarefa, essa função oculta que nos corresponde manifestar, é a verdadeira razão de aqui estarmos.



É necessário, por isso mesmo, olhar o carma pelos olhos reais de quem não pertence a este sistema evolutivo, tendo-se sacrificado a este como forma de permitir a Ascensão do planeta.



Como servidores do Plano, nenhum de nós pertence a este Universo-Terra. Esta não é a nossa casa: o lugar onde encarnámos pela primeira vez ao deixarmos os patamares superiores da Vida. Estamos neste planeta para Servir e como tal, todo o nosso processo reencarnatório foi direccionado para esse único Propósito.



Quando nos auto-convocamos para ajudar o planeta Terra a dar um salto evolutivo, foi-nos entregue a tarefa que nos correspondia desempenhar durante este momento de transição. Essa tarefa é aquela que nos está destinada cumprir nesta encarnação.



Não viemos a este planeta para viver a encarnação do rei, do mendigo, do sacerdote, do cavaleiro, do mestre e do aprendiz... Não viemos para experimentar o ódio, o egoísmo, a inveja e a superação disso tudo através de virtudes várias... Não viemos para saber o que é ser pobre e o que é ser rico, para viver amores e desamores, para combater e pacificar... Não! Viemos para esta única vida; aquela que estamos a viver hoje e que é a razão de ser de toda a nossa experiência terrestre.





Mas para que o ator possa desempenhar o seu papel na peça da qual faz parte, ele tem que se preparar ao longo de meses de ensaios que nada mais são que todo o nosso processo reencarnatório neste planeta.



E o Carma? O que é o Carma para estes servidores?



Ele é esse longo ensaio de uma peça teatral cuja função é preparar os actores para a Grande Estreia. Nada mais que isso! Todas as vidas que tivemos foram apenas isso mesmo... uma longa preparação para a encarnação de hoje.



Vejam só a responsabilidade e a importância de tudo aquilo que estamos a viver agora... Que tenhamos essa Consciência presente e passemos a valorizar cada instante, cada respiração desta vida, pois esses momentos são feitos de ouro.



E da mesma forma que os ensaios de uma peça não condicionam a letra escrita da mesma, pois antes de ensaiar ela já está pronta, também todas as experiências que tivemos não mudaram a letra daquilo que hoje temos que fazer como servidores que somos. Essas experiências foram apenas o olear do mecanismo para a representação final.



Dentro do tempo linear nós dizemos que as nossas vidas passadas foram sendo escritas uma a uma, em sequência cronológica, sendo essa escrita condicionada pelas ações praticadas anteriormente. Esta é a visão tradicional do carma... Mas nós não estamos aqui para servir o tempo linear que é uma ilusão. Na verdade a primeira vida a ser escrita foi esta, a última. E foi a partir daquilo que foi escrito para esta última vida, que tudo o resto aconteceu para trás de forma a permitir aqui chegar com os instrumentos necessários para cumprir a nossa função como servidores que somos.



O Carma funciona, desse modo, para trás e não para frente... Ele existe em função de um propósito bem definido e não como resultado da arbitrariedade das escolhas humanas. Um servidor não tem nada para escolher, embora ainda possa estar mergulhado na ilusão de assim pensar, pois já viveu essa experiência noutro lugar do universo. Ele simplesmente cumpre os ciclos reencarnatórios, tecidos na geometria exata que o levará aonde ele tem que chegar, e depois parte de volta a casa sem olhar para trás.



Para desempenharmos a nossa função neste momento de transição planetário, foi necessário preparar instrumentos de trabalho para o cumprimento da mesma. Foi em função dessa necessidade, daquilo que era essencial para o cumprimento da tarefa, que todas as nossas vidas passadas existiram e que todo o nosso carma foi gerado.



É errado para um servidor dizer que uma dificuldade específica na sua estrutura tridimensional de agora é resultado do carma criado numa vida passada e, por isso, uma fatalidade que ele tem que aceitar até que o mesmo seja resolvido. Não! Era necessário para o desenvolvimento da sua tarefa, da razão de ser de tudo aquilo que o fez vir até este planeta, que a sua estrutura tridimensional estivesse condicionada por essas dificuldades e em função disso o carma foi gerado no passado.



Tudo existe em função daquilo que estamos a viver hoje. Tudo foi tecido, vivenciado, para que quando despertássemos para a nossa função enquanto servidores, tivéssemos nas mãos todos os instrumentos, e como esses instrumentos têm que ser forjados na dimensão aonde o serviço acontece, foi necessário esse longo processo reencarnatório de moldagem do equipamento que iremos finalmente usar.



Hoje o ensaio acabou. O pano foi levantado e a plateia observa-nos... Chegou o momento de deixar a nossa Arte fluir no palco deste mundo e encantar a plateia sedenta de um frescor desconhecido. Deixemos que a Nova Terra se manifeste através da nossa representação, pois foi para isso que nos preparamos ao longo de muito milhares de anos de experiência várias. Na verdade, esta é a nossa única e verdadeira encarnação neste planeta.

PAX, Pedro Elias

pedroelias.org

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

A enfermidade é conflito

“A enfermidade é um conflito entre a personalidade e a alma.

O resfriado escorre quando o corpo não chora.

A dor de garganta entope quando não é possível comunicar as aflições.

O estômago arde quando as raivas não conseguem sair.

O diabetes invade quando a solidão dói.

O corpo engorda quando a insatisfação aperta.

A dor de cabeça deprime quando as duvidas aumentam.

O coração desiste quando o sentido da vida parece terminar.

A alergia aparece quando o perfeccionismo fica intolerável.

As unhas quebram quando as defesas ficam ameaçadas.

O peito aperta quando o orgulho escraviza.

A pressão sobe quando o medo aprisiona.

As neuroses paralisam quando a “criança interna” tiraniza.

A febre esquenta quando as defesas detonam as fronteiras da imunidade.

Os joelhos doem quando o orgulho não se dobra.

O câncer mata quando não se perdoa e/ou cansa de viver.

E as dores caladas? Como falam em nosso corpo?

A enfermidade não é má, ela avisa quando erramos a direção.

O caminho para a felicidade não é reto, existem curvas chamadas Equívocos.

Existem semáforos chamados Amigos.

Luzes de precaução chamadas Família.

Ajudará muito ter no caminho uma peça de reposição chamada Decisão.

Um potente motor chamado Amor.

Um bom seguro chamado FÉ.

Abundante combustível chamado Paciência.

Mas há um maravilhoso Condutor e solucionador chamado DEUS”


É muito necessário que estejamos atentos aos sinais físicos de desequilíbrio, sinais de que possivelmente estejamos a trilhar caminhos não reconhecidos pelo nosso coração, estranhos, deprimentes, conflitantes com a nossa alma.

Tempos de PAZES a todos!



(Se alguém souber a autoria do texto, diga-nos, por favor! Será uma honra atribuir os méritos a quem de direito)

http://www.revistapazes.com/personalidade/