domingo, 30 de setembro de 2012

Amor e Meditação

"A pessoa que não é capaz de estar com os outros, de relacionar-se, achará muito difícil relacionar-se consigo mesma, porque a arte de relacionar-se é mesma. Seja relacionar-se com os outros ou consigo mesmo, não faz muita diferença: é a mesma arte. Essas artes têm que ser aprendidas juntas, simultaneamente; elas são inseparáveis. Esteja com as pessoas, não inconscientemente, mas bem conscientemente. Relacione-se com as pessoas como se você estivesse cantando uma canção, como se você estivesse tocando numa flauta; cada pessoa precisa ser pensada como um instrumento musical. Respeite-as, ame-as e adore-as, porque cada pessoa é uma face oculta do divino. Portanto seja bem cuidadoso, bem atento. Lembre-se do que você está dizendo; lembre-se do que você está fazendo. Pequenas coisas bastam para destruir relacionamentos, e pequenas coisas tornam relacionamentos tão belos. Às vezes basta um sorriso, e o coração do outro se abre para você;às vezes basta um olhar errado em seus olhos, e o outro se fecha -é um fenômeno delicado. Pense nisso como uma arte: assim como o pintor é muito vigilante do que ele está fazendo na tela, cada simples traço irá fazer muita diferença. Um pintor verdadeiro pode mudar toda a pintura apenas com um simples traço. A vida tem que ser aprendida como uma arte: muito cuidadosamente, bem deliberadamente. Assim, o relacionamento com os outros precisa se tornar um espelho: veja o que você está fazendo, como você está fazendo isso e o que está acontecendo. Que está acontecendo ao outro? Você está tornando a vida dele mais miserável? Você está provocando sofrimento nele? Você está criando um inferno para ele? Então retire-se. Mude suas maneiras. Embeleze a vida ao seu redor. Deixe que cada pessoa sinta que o encontro com você é uma dádiva: apenas por estar com você algo começa a fluir, a crescer, algumas canções começam a surgir no coração, algumas flores começam a se abrir. E quando você estiver sozinho, então sente-se totalmente em silêncio, absolutamente em silêncio, e observe a si mesmo. Assim como o pássaro tem duas asas, deixe amor e meditação serem suas duas asas. Crie uma sincronicidade entre eles, assim eles não estarão de maneira alguma em conflito um com o outro, mas cuidando um do outro, alimentando um ao outro, auxiliando um ao outro. Esse vai ser o seu caminho: a síntese entre amor e meditação." Osho em O Livro dos Segredos vol II

A Vida se reconstrói

Há determinados momentos no caminho de uma pessoa em que ela se vê frente a uma destruição irreparável. Algumas vezes está vinculada ao inesperado falecimento de um ente querido; em muitas outras, ao brusco término da relação com alguém especialmente amado. O sentimento de perda é arrasador. A impressão é de que a vida perdeu o sentido, a pessoa se sente como se estivesse morta ou morrendo. Certamente alguma coisa lá dentro morreu. Aquele outro se torna uma ausência, uma falta dolorosamente sentida. Em períodos como esse, tenta-se – da maneira que for possível – sobreviver e manter a esperança de um futuro melhor. A morte é triste e irreversível; mais dramático, porém, é o fim não desejado de uma história de amor. Existe uma sensação de fracasso, de derrota e, na maioria das vezes, um vago sentimento de culpa que acompanha a inevitável pergunta: “onde foi que eu errei?” E por vezes perdura a frustrante ilusão de um retorno que não acontece. Lidar com os destroços de um amor encerrado pelo parceiro – muitas vezes sem que se saiba direito o que aconteceu e como – é uma tarefa penosa, tal qual tentar sobreviver a um naufrágio. A sensação de que as emoções estão mortas dentro de si acompanha permanentemente a pessoa. Quando o sentimento de culpa não impera, fica uma noção de impotência e uma ideia dolorosa de estar sendo vítima de uma injustiça: “fiz tudo direito, amei e me comportei bem, fui fiel, não merecia isso”, como se ser amado fosse merecimento. Mas a vida ressurge. Sempre. Ela é mais forte do que a tristeza: supera o peso da dor e ergue-se impávida. Em Nova Iorque, no Soho, na Wooster Street, existe uma instalação do artista plástico Walter De Maria (1935-), chamada “Sala da terra”. Trata-se de um salão de 330 metros quadrados, localizado em um andar qualquer de um prédio comercial, coberto de terra escura. Foi montado em 1977 e desde então lá se encontra, aberto ao público. O visitante pode apreciá-lo da porta e não há muito para ver. Apenas uma camada de terra de cerca de meio metro de altura cobrindo todo o espaço disponível. Um homem está encarregado de tomar conta do local. Sua função é abrir e fechar diariamente a sala nos horários estabelecidos e arrancar as pequenas folhas que constantemente brotam da terra. Sim, porque a vida não cessa e ressurge sempre, mesmo quando já não parece haver mais vida nenhuma. Pode demorar. Os que já passaram por isso sabem que um dia todo o sofrimento passa, a tempestade se desfaz, o bom tempo volta e o sol torna a brilhar, a aquecer a alma e a iluminar os caminhos. Quem ainda não chegou a esse momento pode acreditar: isso passa; pode demorar, mas passa. É preciso manter viva a chama da esperança e acreditar na capacidade de ressurreição do coração arrasado. Sempre haverá no futuro a possibilidade de um novo amor e é necessário estar preparado para receber essa dádiva preciosa. E um dia, em um futuro por vezes nem tão distante assim, a nova paixão ilumina com seu brilho a alma, como o sol que ressurge e nos aquece após um longo período de mau tempo. Ou como a primavera que rebrota depois de um longo e escuro inverno. A vida se impõe. Sempre. Dr. Luiz Alberto Py

sábado, 29 de setembro de 2012

Oração do segredo

"Eu ORDENO a retirada de minha mente de crenças, conceitos, pensamentos, imagens, frases, pessoas negativas e TUDO que me limitou até aqui em meu crescimento moral, pessoal e financeiro. Se há algum inimigo, revelado ou não, querendo me atingir, que seja iluminado neste momento se tornando meu amigo, porque na minha vida só há lugar para amigos. Abençoe, abençoe, abençoe!Coisas maravilhosas chegam a minha vida neste momento, neste dia e pela eternidade. Eu conquisto os meus objetivos com facilidade. Vivo minha vida com calma, serenidade e harmonia comigo e com todo o universo. Agradeço tudo que sou e tudo que tenho. Sei que o Poder da consciência é ilimitado e que a Consciência Una está comigo em todos os lugares. Reconheço que sou um ser em constante movimento de evolução. Escolho agora meu progresso físico, mental, emocional e espiritual e agradeço por meu estado de bem-aventuranç a. Sou feliz porque consigo sempre o que preciso e em abundância. Dentro de mim estão qualidades, competência e inteligência que me fazem a vida feliz, realizada e ampla.Supero qualquer tipo de obstáculo. Diante de mim se desenham um futuro de muita ação, construção e alegria. As opiniões dos outros são muletas. Quem tem pernas fortes como eu, não precisa de muletas. Surpresas maravilhosas chegam agora em minha vida. É maravilhoso como em todos os momentos estou mais feliz! Meus músculos são fortes, minha pele é firme, suave e viçosa, cheia de jovialidade. Minhas células se renovam normal e ordenadamente, assim como meus hormônios. Meu organismo funciona harmonicamente e eu sou só saúde, paz, vivacidade, beleza e alegria. É maravilhoso, maravilhoso, maravilhoso!Minha vida e meus negócios sempre prosperam.Todo dinheiro que eu preciso vem a mim facilmente a partir de fontes infinitas do bem. O dinheiro sempre flui para mim em avalanche e abundância, pois a riqueza me pertence e faz parte a todo instante da minha vida. Meus amigos me abrem portas oportunas e vantajosas ao meu crescimento, que sempre contagia e espalha prosperidade e otimismo com todos que convivo. Obtenho sempre alegria no contato com TODOS. A riqueza esta aqui. O mundo da Consciência Una é aqui e já é perfeito. Obrigado, obrigado, obrigado!A minha vida é do tamanho dos meus sonhos

Morrer todos os dias

O pensamento é o resultado do passado a atuar no presente; as vagas do passado estão de contínuo submergindo o presente. O presente, o novo, está sempre sendo absorvido pelo passado, o conhecido. Para se viver no presente eterno, é necessário morrer para o passado, para a memória; nesta morte há renovação, sem a limitação do tempo. Estende-se o presente para o passado e para o futuro; sem compreender-se o presente, fica- nos fechada a porta para a compreensão do passado. É tão fugaz a percepção do que é novo; nem bem o sentimos e já o submerge a rápida corrente do passado, e o novo deixa de existir. Morrer para todos os dias passados, viver cada dia renovadamente — tal só é possível se formos capazes de estar passivamente vigilantes. Nessa vigilância passiva nada se nos acrescenta; nela há uma tranquilidade intensa, na qual se assiste ao desenrolar perene do novo, na qual o silêncio se estende infinitamente. Procuramos servir-nos do novo como meio de destruir ou consolidar o velho, e com isso corrompemos o presente, em que palpita a vida. O presente renova, e dá-nos a compreensão do passado. É sempre o novo que dá compreensão, e na sua luz assume o passado um significado novo e vivificante. Quando ouvimos uma coisa nova, ou a sentimos em nós, nossa reação instintiva é compará-la com o velho, com algo já conhecido e sentido, com uma lembrança já quase a apagar-se. Essa comparação dá força ao passado, desfigura o presente, e por essa razão se transforma o novo sempre em coisa passada e morta. Se fosse o pensamento-sentimento capaz de viver no presente, sem o desfigurar, veríamos, então, o passado transformar-se no presente eterno. Para alguns de vós terão, porventura, estas palestras e exposições despertado uma compreensão nova e estimulante; o que agora importa é que se não ajuste o novo a velhos padrões de pensamento ou velhas fraseologias. Deixai o novo como está, livre de contaminação. Se for ele verdadeiro, a sua luz abundante e criadora dissipará o passado. O desejo de dar permanência ao presente criador, de torná-lo prático ou útil, despoja-o de seu valor. Deixai que o novo viva, sem estar ancorado no passado, sem a influência deformadora de temores e esperanças. Morrei para vossa experiência, para vossas lembranças. Morrei para vossos preconceitos agradáveis ou desagradáveis. Morrer assim é tornar-se incorruptível; tal estado não é de aniquilamento porém de criação. É essa renovação que, se o permitirmos dissolverá os nossos problemas, por mais complicados, e os nossos sofrimentos, por mais intensos que sejam. Só na morte do “ego” haverá a vida. Krishnamurti by José Batista de Carvalho

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

A insaciável necessidade de ter mais

O ego se identifica com possuir, mas sua satisfação com isso é de certa forma superficial e passageira. Oculta internamente, ela permanece como um sentimento profundo de insatisfação, de estar incompleto, de "não é o bastante", "não tenho o suficiente", com o que o ego de fato quer dizer: "Não sou o bastante ainda." Como vimos, ter - o conceito de propriedade - é uma ficção criada pelo ego para adquirir solidez e permanência e se destacar, tornar-se especial. Mesmo que não sejamos capazes de nos encontrar por meio disso, existe outro impulso mais forte subjacente a esse que pertence à estrutura do ego: a necessidade de mais, o que podemos também chamar de "desejo". O ego não dura muito tempo sem isso. Portanto, querer o mantém vivo muito mais do que ter. Para ele, o apelo de querer é mais forte do que o de ter. E, assim, a satisfação superficial de ter é sempre substituída pelo querer mais. Essa é a necessidade psicológica de mais, isto é, de mais coisas com as quais se identificar. É como um vício, não é verdadeira. Em alguns casos, essa necessidade psicológica, ou a sensação de que ainda não há o bastante, que é tão característica do ego, é transferida para o nível material e, então, converte-se na avidez insaciável. Em geral, as pessoas que sofrem de bulimia obrigam-se a vomitar para continuar comendo. É sua mente que está faminta, e não seu corpo. Os que sofrem desse distúrbio alimentar poderiam se curar se, em vez de se identificar com a mente, conseguissem entrar em contato com o próprio corpo e assim sentissem suas verdadeiras carências físicas em lugar das pseudo necessidades da mente egóica. Alguns egos sabem o que querem e perseguem seu objetivo com uma determinação inflexível e implacável - Gêngis Khan, Stalin, Hitler, para dar apenas alguns exemplos inquestionáveis. A energia por trás da sua vontade, porém, cria uma energia oposta de igual intensidade que, por fim, leva à queda desses indivíduos. Nesse ínterim, eles se tornam infelizes e fazem o mesmo com muitas pessoas ou, como mostram episódios clássicos, criam o inferno sobre a Terra. A maioria dos egos tem vontades conflitantes. Eles querem coisas diferentes em momentos distintos ou talvez nem saibam o que desejam. Só sabem o que não querem: o momento presente. Desconforto, desassossego, tédio, ansiedade, insatisfação, tudo isso é resultado da vontade insatisfeita. Como querer é algo estrutural, nenhum acúmulo de conteúdo consegue oferecer uma satisfação duradoura enquanto essa estrutura mental está em ação. O desejo intenso que não tem um objeto específico costuma ser encontrado no ego ainda em desenvolvimento dos adolescentes. É por isso que alguns desses jovens vivem num estado permanente de negativismo e insatisfação. Todos os seres humanos do planeta poderiam ser facilmente atendidos em suas carências materiais em relação a alimento, água, abrigo, roupas e confortos básicos, não fosse pelo desequilíbrio de recursos criado pela necessidade insana e voraz de querer sempre mais, a ganância do ego. Isso encontra expressão coletiva nas estruturas econômicas, como as grandes corporações, que são entidades egóicas que competem entre si por mais. Seu único - e cego - objetivo é o lucro. Elas perseguem essa meta do modo mais implacável possível. A natureza, os animais, as pessoas, até mesmo os funcionários, não são mais do que algarismos no seu balanço comercial, objetos inanimados a serem usados e depois descartados. As formas de pensamento "mim", "meu", "mais do que", "eu quero", "eu preciso", "eu devo ter" e "não o bastante" pertencem não ao conteúdo, mas à estrutura do ego. O conteúdo pode ser trocado. Enquanto não reconhecemos essas formas de pensamento em nós mesmos, isto é, enquanto elas permanecem inconscientes, acreditamos no que elas dizem. Assim, ficamos condenados a agir de acordo com esses pensamentos inconscientes, a buscar e não encontrar, pois, quando eles entram em ação, nenhum bem, nenhum lugar, nenhuma pessoa, nenhuma condição jamais nos satisfaz. Não há conteúdo capaz de atender nossa vontade enquanto a estrutura egóica permanece atuante. Não importa o que tenhamos nem o que venhamos a conquistar, não seremos felizes. Sempre estaremos procurando alguma coisa além que nos prometa mais plenitude, que nos diga que vai completar a percepção do eu insatisfeito e saciar aquele sentimento de carência que trazemos dentro de nós. Eckhart Tolle

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Resista um pouco mais

Há dias em que temos a sensação de que chegamos ao fim da linha. Não conseguimos vislumbrar uma saída viável para os problemas que surgem em grande quantidade. Com você não é diferente. Você também faz parte deste mundo de provas e expiações. Desta escola chamada terra. E já deve ter passado por um desses dias, e pensado em desistir... No entanto vale a pena resistir... Resista um pouco mais, mesmo que as feridas latejem e que a sua coragem esteja cochilando. Resista mais um minuto e será fácil resistir aos demais. Resista mais um instante, mesmo que a derrota seja um ímã... Mesmo que a desilusão caminhe em sua direção. Resista mais um pouco mesmo que os pessimistas digam para você parar... mesmo que sua esperança esteja no fim. Resista mais um momento mesmo que você não possa avistar, ainda, a linha de chegada... mesmo que a insegurança brinque de roda a sua volta. Resista um pouco mais, ainda que a sua vida esteja sendo pesada na balança dos insensatos, e você se sinta indefeso como um pássaro de asas quebradas. As dores, por mais amargas, passam... Tudo passa... A ilusão fascina, mas se desvanece... A posse agrada, porém se transfere de mãos... O poder apaixona, entretanto, transita de pessoa. O prazer alegra, todavia é efêmero. A glória terrestre exalta e desaparece. O triunfador de hoje, passa, mais tarde, vencido... Tudo, nesta vida, tem um propósito... A dor aflige, mas também passa. A carência aturde, porém, um dia se preenche. A debilidade física deprime, todavia, liberta das paixões. O silêncio que entristece, leva à meditação que felicita. A submissão aflige, entretanto fortalece o caráter. O fracasso espezinha, ao mesmo tempo ensina o homem a conquistar-se. A situação muda, como mudam as estações... O verão brinca de esconde-esconde com a brisa morna, mas cede lugar ao outono, que espalha suas tintas sobre a folhagem. O inverno chega e, sem pedir licença, congela a brisa e derruba as folhas. Tudo parece sem vida, sem cor, sem perfume... Será o fim? Não! Eis que surge a primavera e estende seus tapetes multicoloridos, espalhando perfume no ar e reverdecendo novamente a paisagem... Assim, quando as provas lhe baterem à porta, não se deixe levar pelo desejo de desistir... resista um pouco mais. Resista, porque o último instante da madrugada é sempre aquele que puxa a manhã pelo braço... E essa manhã bonita, ensolarada, sem algemas, nascerá para você em breve, desde que você resista. Resista, porque alguém que o ama está sentado na arquibancada do tempo, torcendo muito para que você vença e ganhe o troféu que tanto deseja: a felicidade... Não se deixe abater pela tristeza. Todas as dores terminam. Aguarde que o tempo, com suas mãos cheias de bálsamo, traga o alívio. A ação do tempo é infalível, e nos guia suavemente pelo caminho certo, aliviando nossas dores, assim como a brisa leve abranda o calor do verão. Mais depressa do que supõe, você terá a resposta, na consolação de que necessita. Por tudo isso, resista... e confie nesse abençoado aliado chamado tempo. (Redação Momento Espírita)

Meio da vida por Martha Medeiros

Vida é o que existe entre o nascimento e a morte. O que acontece no meio é o que importa. No meio, a gente descobre que sexo sem amor também vale a pena, mas é ginástica, não tem transcendência nenhuma. Que tudo o que faz você voltar pra casa de mãos abanando (sem uma emoção, um conhecimento, uma surpresa, uma paz, uma ideia) foi perda de tempo. Que a primeira metade da vida é muito boa, mas da metade pro fim pode ser ainda melhor, se a gente aprendeu alguma coisa com os tropeços lá do início. Que o pensamento é uma aventura sem igual. Que é preciso abrir a nossa caixa preta de vez em quando, apesar do medo do que vamos encontrar lá dentro. Que maduro é aquele que mata no peito as vertigens e os espantos. No meio, a gente descobre que sofremos mais com as coisas que imaginamos que estejam acontecendo do que com as que acontecem de fato. Que amar é lapidação, e não destruição. Que certos riscos compensam - o difícil é saber previamente quais. Que subir na vida é algo para se fazer sem pressa. Que é preciso dar uma colher de chá para o acaso. Que tudo que é muito rápido pode ser bem frustrante. Que Veneza, Mykonos, Bali e Patagônia são lugares excitantes, mas que incrível mesmo é se sentir feliz dentro da própria casa. Que a vontade é quase sempre mais forte que a razão. Quase? Ora, é sempre mais forte. No meio, a gente descobre que reconhecer um problema é o primeiro passo para resolvê-lo. Que é muito narcisista ficar se consumindo consigo próprio. Que todas as escolhas geram dúvida, todas. Que depois de lutar pelo direito de ser diferente, chega a bendita hora de se permitir a indiferença. Que adultos se divertem muito mais do que os adolescentes. Que uma perda, qualquer perda, é um aperitivo da morte - mas não é a morte, que essa só acontece no fim, e ainda estamos falando do meio. No meio, a gente descobre que precisa guardar a senha não apenas do banco e da caixa postal, mas a senha que nos revela a nós mesmos. Que passar pela vida à toa é um desperdício imperdoável. Que as mesmas coisas que nos exibem também nos escondem (escrever, por exemplo). Que tocar na dor do outro exige delicadeza. Que ser feliz pode ser uma decisão, não apenas uma contingência. Que não é preciso se estressar tanto em busca do orgasmo, há outras coisas que também levam ao clímax: um poema, um gol, um show, um beijo. No meio, a gente descobre que fazer a coisa certa é sempre um ato revolucionário. Que é mais produtivo agir do que reagir. Que a vida não oferece opção: ou você segue, ou você segue. Que a pior maneira de avaliar a si mesmo é se comparando com os demais. Que a verdadeira paz é aquela que nasce da verdade. E que harmonizar o que pensamos, sentimos e fazemos é um desafio que leva uma vida toda, esse meio todo. Martha Medeiros

Teu recomeço

A cada momento podes recomeçar uma tarefa edificante que ficou interrompida. Nunca é tarde para fazê-lo; todavia, é muito danoso não lhe dar prosseguimento. Parar uma atividade por motivos superiores às forças é fenômeno natural. Deixá-la ao abandono é falência moral. A vida é constituída de desafios constantes. Sai-se de um para outro em escala ascendente de valores e conquistas intelecto-morais. Sempre há que se começar a vida de novo. Uma decepção que parece matar as aspirações superiores; um insucesso que se afigura como um desastre total; um ser querido que morreu e deixou uma lacuna impreenchível; uma enfermidade cruel que esfacelou as resistências; um vício que, por pouco, não conduziu à loucura; um prejuízo financeiro que anulou todas as futuras aparentes possibilidades; uma traição que poderia ter-te levado ao suicídio, são apenas motivos para recomeçar de novo e nunca para se desistir de lutar. Não houvesse esses fenômenos negativos na convivência humana, no atual estágio de desenvolvimento das criaturas, e os estímulos para o progresso e a libertação seriam menores. Colhido nas malhas de qualquer imprevisto ou já esperado problema aterrador, tem calma e medita, ao invés de te deixares arrastar pela convulsão que se irá estabelecer. Refugia-te na oração, a fim de ganhares força e inspiração divina. Como tudo passa, isto também passará, e, quando tal acontecer, faze teu recomeço, a princípio, com cautela, parcimonioso, até que te reintegre novamente na ação plenificadora. Teu recomeço é síndrome de próxima felicidade. Joanna de Ângelis

A importância de se amar

O maior milagre no mundo é este: você existe, eu existo. Existir é o maior milagre, e a meditação abre as portas para esse grande milagre. Mas somente uma pessoa que ama a si mesma pode meditar; do contrário, você está sempre fugindo de si mesmo, evitando a si mesmo. Quem quer olhar para uma face feia e quem quer penetrar num ser feio? Quem quer penetrar fundo em sua própria lama, em sua própria escuridão? Quem quer entrar no inferno que você julga ser? Você quer manter tudo isso coberto com belas flores e sempre fugir de si mesmo. Por isso as pessoas estão continuamente procurando companhia. Elas não conseguem ficar com elas mesmas e querem ficar com outras. As pessoas estão procurando qualquer tipo de companhia; se elas puderem evitar a companhia delas mesmas, qualquer coisa servirá. Elas sentarão num cinema durante três horas, assistindo algo completamente idiota; lerão um romance policial por horas, desperdiçando seu tempo. Lerão o mesmo jornal repetidamente, apenas para se manterem ocupadas; jogarão cartas e xadrez apenas para matar o tempo, como se tivessem muito tempo! Nós não temos muito tempo, não temos tempo suficiente para nos desenvolver, para ser, para nos alegrar. Mas este é um dos problemas básicos criados por uma educação equivocada: evite a si mesmo. As pessoas ficam sentadas em frente à TV, grudadas na poltrona durante quatro, cinco, até seis horas. Na média, o norte-americano assiste à televisão durante cinco horas por dia, e essa doença se espalhará por todo o mundo. E o que você está vendo? E o que você está ganhando com isso? Queimando seus olhos... Mas isso sempre foi assim; mesmo se a televisão não existisse, haveria outras coisas. O problema é o mesmo: como evitar a si mesmo? Porque a pessoa se sente muito feia. E quem a fez ficar tão feia? Seus pretensos religiosos, seus papas, seus shankaracharyas. Eles são responsáveis por distorcerem suas faces, e foram bem-sucedidos, tornaram todos feios. Toda criança nasce bela e, então, começamos a distorcer sua beleza, mutilando-a e paralisando-a de muitas maneiras, distorcendo sua proporção, tornando-a desequilibrada. Mais cedo ou mais tarde ela fica tão desgostosa consigo mesma que aceita ficar com qualquer um. O sujeito pode procurar uma prostituta apenas para evitar a si mesmo. Ame a si mesmo, diz Buda. E isso pode transformar todo o mundo, pode destruir todo o feio passado, pode anunciar uma nova era, pode ser o princípio de uma nova humanidade. Osho

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Não se deixe despedaçar por causa de uma relação!

Estranho pensar num processo de despedaçamento da gente mesma, não é? Ainda mais quando esse processo se inicia em função de um sentimento que tem o intuito divino de juntar... Mas é justamente ao ato de se deixar desintegrar e se misturar ao outro que estou me referindo, porque essa decisão - geralmente tomada inconscientemente - é muito mais comum do que supomos. Muitas vezes, quando entramos num relacionamento e passamos a enxergá-lo como “a razão” de toda a nossa felicidade; quando nos sentimos perdidamente apaixonados (no sentido literal da palavra) e apostamos todas as nossas fichas na possibilidade de estendermos ao máximo essa sensação que preenche os nossos dias, corremos o sério risco de não sabermos mais onde termina o outro e onde começamos nós. Ou seja, na intenção de nos tornarmos parte da vida do outro, perdemos a noção do que é parte essencial nossa - seja qualidade ou defeito - e passamos a considerar o outro como o “centro” e a “causa” de tudo de bom (e também de ruim) que sentimos. Assim, perdemos a preciosa oportunidade que o amor deveria nos proporcionar. Perdemos a chance de olhar para nós mesmos através do outro, mas tendo plena consciência de que a pessoa amada é, em última análise, a projeção de um amor que existe primeiro dentro de nós mesmos. Porque amar outra pessoa e se permitir experimentar a intimidade é, acima de tudo, um convite à descoberta do que há de mais valioso em nossa própria essência. No entanto, quando acreditamos - equivocadamente - que o que vivemos é mérito ou “culpa” do outro, permitimos que essa relação comece a nos despedaçar. Começamos a nos tornar emocionalmente como pedaços, partes desintegradas de nós mesmos; e, assim, já não nos reconhecemos mais. Não conseguimos mais ter a exata dimensão de até onde podemos ou queremos ir. E nessa simbiose destrutiva, passamos a atuar em função do outro. Inevitavelmente sofremos, porque perdemos a única referência realmente válida: nosso próprio coração. Se você se sente confusa e dolorosamente misturada à pessoa amada, sugiro que você comece a retomar o seu próprio centro. Isto é, concentrar-se em si mesma, em seus mais genuínos e pessoais sentimentos, a despeito do que o outro possa fazer diante deste resgate. Além disso, em princípio o objetivo nem é expressar tais sentimentos, mas apenas e tão somente reconhecê-los, aceitá-los e acolhê-los. Depois, mais consciente de si mesmo, creio que seja o momento de começar a se fazer presente, de fato, nesta relação. Somente assim, você poderá compreender a exata dimensão dos acontecimentos, dos sentimentos e das razões que fazem com que você esteja ao lado dessa pessoa. Reconhecer-se é ponto primordial e absolutamente fundamental para tornar construtiva e produtiva uma relação de amor. Caso contrário, você estará despedaçando-se dia após dia, literalmente se desfazendo em pedaços que perdem o sentido, que não complementam, que não justificam uma união. E, assim, deixa de ser pleno, de ser íntegro e, sobretudo, amante. Porque amante é aquele que toma atitudes e faz escolhas... e pedaços não são suficientes. Amantes são inteiros que, humilde e sabiamente, emprestam-se como “metades” para dar vida ao amor do outro, mas sem nunca se misturar e se perder... Porque o amor é sempre um encontro, sem nunca ter saído à procura... um encontro singular de você consigo mesma, através da troca recíproca de dois corações transbordados de amor... :: Rosana Braga ::

O não

O não é como uma rocha sobre uma fonte; a nascente está sendo esmagada por ela, e essa nascente é você. Com o não você permanece mutilado e paralisado. Continue a martelar na rocha do não, e um dia a rocha dará caminho; e, quando ela o fizer, surgirá o sim, o sim autêntico. Não estou dizendo para fingir o sim ou para dizê-lo quando ele não estiver vindo a você. Se ele não estiver vindo a você, não há com o que se preocupar: continue martelando na rocha. Não aceite o não, porque você não pode viver em um não. Você não pode comer não-comida, não pode beber não-água. Ninguém pode viver no não – você pode somente sofrer e criar cada vez mais infelicidades. O não é o inferno. Somente o sim traz o céu para perto, e, quando surge um sim real a partir de seu ser total, nada fica para trás. Nesse sim você se torna uno e toda a sua energia se move para cima e diz: "Sim, sim, sim!” Esse é o significado da palavra amém. Toda oração deve terminar com amém - que significa sim, sim, sim. Mas ele deveria vir de suas próprias entranhas. Ele não deveria ser um assunto da mente, não deveria estar apenas nos pensamentos. Não estou sugerindo que você o diga; estou dizendo que você abra o caminho para ele vir. Osho

Os dois cavalos

Na estrada de minha casa há um pasto. Dois cavalos vivem lá…. De longe, parecem cavalos como os outros cavalos, mas, quando se olha bem, percebe-se que um deles é cego. Contudo, o dono não se desfez dele e arrumou-lhe um amigo - um cavalo mais jovem. Isso já é de se admirar. Se você ficar observando, ouvirá um sino. Procurando de onde vem o som, você verá que há um pequeno sino no pescoço do cavalo menor. Assim, o cavalo cego sabe onde está seu companheiro e vai até ele. Ambos passam os dias comendo e no final do dia o cavalo cego segue o companheiro até o estábulo. E você percebe que o cavalo com o sino está sempre olhando se o outro o acompanha e, às vezes, pára para que o outro possa alcançá-lo. E o cavalo cego guia-se pelo som do sino, confiante que o outro o está levando para o caminho certo. Como o dono desses dois cavalos… Deus não se desfaz de nós só porque não somos perfeitos, ou porque temos problemas ou desafios. Ele cuida de nós e faz com que outras pessoas venham em nosso auxílio quando precisamos. Algumas vezes somos o cavalo cego guiado pelo som do sino daqueles que Deus coloca em nossas vidas… Outras vezes, somos o cavalo que guia, ajudando outros a encontrar seu caminho. E assim são os bons amigos. Você não precisa vê-los, mas eles estão lá.

domingo, 23 de setembro de 2012

Saúde e paz

"Somos as únicas criaturas na face da terra capazes de mudar nossa biologia pelo que pensamos e sentimos!" Nossas células estão constantemente bisbilhotando nossos pensamentos e sendo modificados por eles. Um surto de depressão pode arrasar seu sistema imunológico; apaixonar-se, ao contrário, pode fortificá-lo tremendamente. A alegria e a realização nos mantém saudáveis e prolongam a vida. A recordação de uma situação estressante, que não passa de um fio de pensamento, libera o mesmo fluxo de hormônios destrutivos que o estresse. A alegria e a realização nos mantém saudáveis e prolongam a vida. Quem está deprimido por causa da perda de um emprego projeta tristeza por toda parte no corpo - a produção de neurotransmissores por parte do cérebro reduz-se, o nível de hormônios baixa, o ciclo de sono é interrompido, os receptores neuropeptídicos na superfície externa das células da pele tornam-se distorcidos, as plaquetas sanguíneas ficam mais viscosas e mais propensas a formar grumos e até suas lágrimas contêm traços químicos diferentes das lágrimas de alegria. Todo este perfil bioquímico será drasticamente alterado quando a pessoa encontra uma nova posição. Isto reforça a grande necessidade de usar nossa consciência para criar os corpos que realmente desejamos. A ansiedade por causa de um exame acaba passando, assim como a depressão por causa de um emprego perdido. O processo de envelhecimento, contudo, tem que ser combatido a cada dia. Shakespeare não estava sendo metafórico quando Próspero disse: "Nós somos feitos da mesma matéria dos sonhos". Você quer saber como esta seu corpo hoje? Lembre-se do que pensou ontem. Quer saber como estará seu corpo amanhã? Olhe seus pensamentos hoje! Texto do livro: Saúde Perfeita Autor: Deepak Chopra

Vencendo a obsessão

Existem dez atitudes positivas contra o domínio da obsessão, a saber: Confiança em Deus e em si próprio; Consciência tranqüila; Oração; Dever cumprido; Paciência; Trabalho, incessante; Serviço ao próximo; Simpatia e benevolência para com os outros; Estudo; Recomeço de construção do próprio equilíbrio, tantas vezes quantas se fizerem necessárias; E há dez atitudes negativas, que agravam qualquer processo de perturbação espiritual, como sejam: - Dúvida; - Complexo de culpa; - Indiferença; - Irresponsabilidade; - Irritação; - Ociosidade; - Egoísmo; - Isolamento; - Ignorância; - Queixa contínua; Acomodar-se a qualquer das situações referidas, depende da escolha de cada um, no entanto, ao enunciar semelhantes conceitos, temos em mira simplesmente recordar a palavra de Allan Kardec, no item 4, do capítulo XXV, de "O Evangelho Segundo o Espiritismo ", quando nos adverte: "Não, os Espíritos não vem isentar o homem da lei do trabalho; vem unicamente mostrar-lhe a meta que lhe cumpre atingir e o caminho que ela conduz, dizendo-lhe: anda e chegarás; toparás com pedras, olha e afasta-as tu mesmo." Albino Teixeira/Francisco Cândido Xavier Escultores da Alma

sábado, 22 de setembro de 2012

O mundo e a Mente-do-Mundo

by José Batista de Carvalho Vimos que há uma realidade interior, uma mente maior, atrás da pessoa, a qual chamamos de o Eu Superior. Qual é então a realidade por trás do mundo? Mentalismo é um termo usado para explicar que o mundo é um vasto pensamento, não algo material. Quase todo mundo acredita que o mundo esteja lá fora e que a mente está aqui dentro, e que de alguma forma o mundo entra aqui para ser conhecido. O mentalismo assinala que o mundo não é independente do nosso conhecimento dele. Portanto, o mundo tem a sua existência como uma aparência na mente. O mentalismo não só mostra que o mundo é um pensamento, mas aponta para o poder criativo e a presença profunda da mente que tem pensamentos. Agora mesmo você está lendo estas palavras. Você pode dizer com certeza que está ciente das palavras, de seu corpo, do ambiente onde você está sentado. Mas você não pode levar a consciência para fora e olhar para ela do jeito que você olha para as palavras, para o corpo e para o ambiente. A mente que conhece o mundo não pode ser conhecida da mesma forma que o mundo que ela conhece. Este é o mistério da consciência. O fato mais imediato e importante da experiência – consciência – é ignorado enquanto os conteúdos em contínua mudança obtém toda nossa atenção. Podemos explorar o cérebro tanto quanto quisermos, como um objeto, mas isso não nos leva ao princípio imaterial pelo qual conhecemos ou vemos um cérebro. A consciência cognoscente não pode ser transformada num objeto. A Mente é aquilo que manifesta o mundo e conhece o mundo. Além disso, esta natureza da mente que é a realidade mais profunda por trás da pessoa e do mundo, através da qual todos nós conhecemos o mundo, não é local nem individual. É cósmica e infinita. O nome que damos à inteligência criativa que manifesta o mundo é Mente-do-Mundo. "O ato de meditação criativa que traz o universo à existência é realizado pela Mente-do-Mundo. Nós, na medida em que experimentamos o mundo, estamos participando deste ato inconscientemente. É um mundo-pensamento e nós somos seres-pensamento.” Poderíamos simplesmente dizer que a Mente do Mundo "pensa" para que o universo exista. A ideia da Mente-do-Mundo sobre o cosmos, é a Ideia-do-Mundo. É universal e eterna. A Mente-do-Mundo contempla suas ideias eternas e manifesta suas ideias como o cosmos. A ordem e a continuidade da manifestação é chamada de karma. Cada um de nós compartilha da Ideia-do-Mundo por pensarmos junto com a Mente-do-Mundo. A Mente-do-Mundo está escondida no fundo de nossas mentes individuais. A Ideia-do-Mundo gera todo o nosso conhecimento. Quem procura corretamente encontra o sagrado silêncio interior e a sagrada atividade no universo. A natureza suprema da Mente é imutável consciência inefável, vazia, espontânea e unificada. Quando a Mente está ativa ao manifestar e sustentar o mundo, é a Mente-do-Mundo. Quando presente em e através de centros individuais de experiência, é o Eu Superior. Paul Brunton

Amor e Meditação

"A pessoa que não é capaz de estar com os outros, de relacionar-se, achará muito difícil relacionar-se consigo mesma, porque a arte de relacionar-se é mesma. Seja relacionar-se com os outros ou consigo mesmo, não faz muita diferença: é a mesma arte. Essas artes têm que ser aprendidas juntas, simultaneamente; elas são inseparáveis. Esteja com as pessoas, não inconscientemente, mas bem conscientemente. Relacione-se com as pessoas como se você estivesse cantando uma canção, como se você estivesse tocando numa flauta; cada pessoa precisa ser pensada como um instrumento musical. Respeite-as, ame-as e adore-as, porque cada pessoa é uma face oculta do divino. Portanto seja bem cuidadoso, bem atento. Lembre-se do que você está dizendo; lembre-se do que você está fazendo. Pequenas coisas bastam para destruir relacionamentos, e pequenas coisas tornam relacionamentos tão belos. Às vezes basta um sorriso, e o coração do outro se abre para você;às vezes basta um olhar errado em seus olhos, e o outro se fecha -é um fenômeno delicado. Pense nisso como uma arte: assim como o pintor é muito vigilante do que ele está fazendo na tela, cada simples traço irá fazer muita diferença. Um pintor verdadeiro pode mudar toda a pintura apenas com um simples traço. A vida tem que ser aprendida como uma arte: muito cuidadosamente, bem deliberadamente. Assim, o relacionamento com os outros precisa se tornar um espelho: veja o que você está fazendo, como você está fazendo isso e o que está acontecendo. Que está acontecendo ao outro? Você está tornando a vida dele mais miserável? Você está provocando sofrimento nele? Você está criando um inferno para ele? Então retire-se. Mude suas maneiras. Embeleze a vida ao seu redor. Deixe que cada pessoa sinta que o encontro com você é uma dádiva: apenas por estar com você algo começa a fluir, a crescer, algumas canções começam a surgir no coração, algumas flores começam a se abrir. E quando você estiver sozinho, então sente-se totalmente em silêncio, absolutamente em silêncio, e observe a si mesmo. Assim como o pássaro tem duas asas, deixe amor e meditação serem suas duas asas. Crie uma sincronicidade entre eles, assim eles não estarão de maneira alguma em conflito um com o outro, mas cuidando um do outro, alimentando um ao outro, auxiliando um ao outro. Esse vai ser o seu caminho: a síntese entre amor e meditação." Osho em O Livro dos Segredos vol II

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Cuida da tua felicidade

Não deixes a tua felicidade em mãos alheias. Nunca digas que não podes ser alegre porque não te tratam bem; que não podes ter paz porque não te dão liberdade; que não podes ter ânimo porque não compreendem os teus problemas; que não podes ser operoso porque não te dão os meios de agir. Os outros não são os donos da tua felicidade. A felicidade é obra tua, pois tudo está sujeito ao teu exame e aceitação. És tu mesmo que a crias ao pensar e agir. Faze-te feliz. Usa as ferramentas da alegria, da paz e do progresso que estão em tuas próprias mãos, e toma as rédeas da tua felicidade. A felicidade de amanhã está nas tuas mãos, hoje. Extraído de Sempre alegre Postado por Mirian M. Machado

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

A Chave da Luz - Emmanuel

Lembra-te de que ninguém avança sem companhia.

Toda obra pede auxílio e cooperação.

A árvore protege a fonte, tanto quanto a fonte alimenta a árvore.

O pão que extingue a fome é filho da compaixão do solo que nutriu a semente, da renúncia da semente que germinou para o sol e da força do sol que amparou a terra obscura e sustentou a semente frágil.
Assim também é pela vida afora, nas empresas que o mundo te conferiu, não prescindirás de braços amigos que te estendam socorro e fraternidade.

Todavia, não basta exponhas a outrem as necessidades que te afligem, nem vale te
desmandes na queixa, encarecendo perante alheios ouvidos a angústia de teus problemas, a fim de que a verdadeira amizade se te revele, eficiente e prestigiosa.

Indispensável saibas abrir as portas dos corações para que te não falte concurso às construções da existência.

Corações que, muitas vezes, jazem trancados na avareza afogados no vinagre da aflição ou deprimidos nos espinheiros do sofrimento.

Corações que padecem a flagelação do egoísmo, a paralisia do orgulho, o desvario da vaidade, a chaga da ignorância e o assalto do desalento.

Não te impressione, porém, a seara da treva em que se mergulham.

Quase todos esperam apenas a chave de luz que lhes descerre a passagem da noite para o dia, para a luz da libertação.

Avizinha-te deles com ternura e bondade, sem agravar-lhes a dor.

Desvenda-lhes o próprio ser, em forma de compreensão e serviço e todos virão ao teu encontro, sustentando-te os passos na tarefa a que te impuseste na vida, porque, em verdade, é da lei do Senhor que alma alguma resista ao toque da humildade com a chave da gentileza.

Livro: Linha Duzentos – Francisco Cândido Xavier – Pelo Espírito Emmanue

A montanha da vida

A vida pode ser comparada à conquista de uma montanha. Como a vida, ela possui altos e baixos. Para ser conquistada, deve merecer detalhada observação, a fim de que a chegada ao topo se dê com sucesso.

Todo alpinista sabe que deve ter equipamento apropriado. Quanto mais alta a montanha, maiores os cuidados e mais detalhados os preparativos.

No momento da escalada, o início parece ser fácil. Quanto mais subimos, mais árduo vai se tornando o caminho.

Chegando a uma primeira etapa, necessitamos de toda a força para prosseguir. O importante é perseguir o ideal: chegar ao topo.

À medida que subimos, o panorama que se descortina é maravilhoso. As paisagens se desdobram à vista, mostrando-nos o verde intenso das árvores, as rochas pontiagudas desafiando o céu. Lá embaixo, as casas dos homens tão pequenas...

É dali, do alto, que percebemos que os nossos problemas, aqueles que já foram superados são do tamanho daquelas casinhas.

Pode acontecer que um pequeno descuido nos faça perder o equilíbrio e rolamos montanha abaixo. Batemos com violência em algum arbusto e podemos ficar presos na frincha de uma pedra.

É aí que precisamos de um amigo para nos auxiliar. Podemos estar machucados, feridos ao ponto de não conseguir, por nós mesmos, sair do lugar. O amigo vem e nos cura os ferimentos.

Estende-nos as mãos, puxa-nos e nos auxilia a recomeçar a escalada. Os pés e as mãos vão se firmando, a corda nos prende ao amigo que nos puxa para a subida.

Na longa jornada, os espaços acima vão sendo conquistados dia a dia.

Por vezes, o ar parece tão rarefeito que sentimos dificuldade para respirar. O que nos salva é o equipamento certo para este momento.

Depois vêm as tempestades de neve, os ventos gélidos que são os problemas e as dificuldades que ainda não superamos.

Se escorregamos numa ladeira de incertezas, podemos usar as nossas habilidades para parar e voltar de novo. Se caímos num buraco de falsidade de alguém que estava coberto de neve, sabemos a técnica para nos levantar sem torcer o pé e sem machucar quem esteja por perto.

Para a escalada da montanha da vida, é preciso aprender a subir e descer, cair e levantar, mas voltar sempre com a mesma coragem.

Não desistir nunca de uma nova felicidade, uma nova caminhada, uma nova paisagem, até chegar ao topo da montanha.

* * *

Para os alpinistas, os mais altos picos são os que mais os atraem. Eles desejam alcançar o topo e se esmeram.

Preparam-se durante meses. Selecionam equipe, material e depois se dispõem para a grande conquista.

Um desses arrojados alpinistas, Waldemar Nicliewicz, o brasileiro que conquistou o Everest, disse: Quem de nós não quer chegar ao alto de sua própria montanha?

Todos nós temos um desejo, um sonho, um objetivo, um verdadeiro Everest. E este Everest não tem 8.848 metros de altitude, nem está entre a China e o Nepal. Este Everest está dentro de nós.

É preciso ir em busca deste Everest, de nossa mais profunda realização.

Redação do Momento Espírita, baseado em texto de Valdemar Nicliewicz, colhido da Internet.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Chaves para a Ascensão

O discípulo médio é normalmente bem desenvolvido em algumas áreas e muito fraco em outras. Nunca esqueçam que há três níveis no caminho: espiritual, o psicológico e o físico.
Os três níveis tem de ser dominados separada e distintamente antes que ocorra uma integração total e uma síntese entre eles. À medida que lerem esta lista, anotem seus pontos forte e fracos e estabeleçam uma "rotina espiritual" para o desenvolvimento das áreas em que estão fracos.

“Ver cada pessoa, animal, planta e mineral como Deus em forma física”. Vejam tudo, incluindo vocês mesmos, como uma encarnação do Eu Eterno.

“Amar seu Deus com todo coração, alma e mente e amar ao próximo como a ti mesmo”. É fácil praticar o amor incondicional quando se lembram que Deus está presente em todas as formas.
"Deus é igual a homem menos ego" (Sai Baba) O ego negativo é a montanha que está entre vocês e a auto-realização. Morram para o eu interior e realizarão o Eu Superior. Nas primeiras etapas do caminho o ego negativo está no controle. Nas etapas intermediárias, há uma tremenda luta contra ele. Nos estágios finais, o ego negativo é subjugado.

Meditem diariamente. Orar é conversar com Deus e meditar é ouvir e experienciar Deus.
“Orem todos os dias pedindo ajuda de Deus, aos Mestres Ascensionados e a seus anjos.
Deus e seus auxiliares só podem ajudá-los se pedirem. Por que fazer tudo sozinho quando há tanta ajuda disponível?

“Aprendam a canalizar. Esta prática acelera seu progresso espiritual mil vezes. Não é preciso canalizar verbalmente, mas aprenda a canalizar energia espiritual conscientemente em quantas formas e maneiras sejam necessárias para satisfazer seu caminho espiritual individual e único.

“Aprendam a manter a mente firme na Luz. Muitos aspirantes estão definitivamente sintonizados na alma, mas não conseguem permanecer ai. Este é o verdadeiro trabalho.

“Dominem seu corpo físico e todos os apetites. Essa é a chave dourada para passar a primeira iniciação.

“Aprendam a dominar seu corpo emocional e os desejos. Esta é a Segunda chave dourada para passar a Segunda iniciação. Não permitam que suas emoções façam um joguete de vocês.

“Aprendam a dominar seu corpo mental. Vocês não são a sua mente. Ela é um instrumento para criar sua realidade. Esta é a chave dourada para passar a terceira iniciação e os levará a uma fusão da alma e a uma personalidade totalmente integrada.

“Eliminem todos os desejos, exceto o pela liberação, ascensão e realização em Deus.

“Adotem prática diária da repetição do nome de Deus. Esta é uma das práticas mais importantes para alcançar a auto-realização. Façam isto o dia inteiro, quando estiverem numa fila, no supermercado ou meditando. Sejam quais forem os seus desafios na vida, este é seu antídoto.

“Nunca deem seu poder pessoal a alguém ou alguma coisa em sua vida. (Seja outra pessoa, os Mestres Ascensionados, seu subconsciente, criança interna, ego negativo, desejos, cinco sentidos, corpo físico, emocional ou mental). Seu caminho espiritual começa quando se tornam donos de seu poder pessoal. Sem ele, serão vítimas da vida.
“Usem seu poder pessoal somente a serviço do Amor Incondicional a Deus e à Humanidade.

“Cuidem de sua criança interior e aprendam a tratá-la como se fossem seu pais. Muitas pessoas espiritualizadas se envolvem tão intensamente com Deus e realidades espirituais que se esquecem que têm uma criança interior que precisa de cuidados e de amor.

“Dediquem sua vida a serviço da humanidade. Verifiquem, porém, se estão bem para servir a partir do todo e não do vazio.

“Leiam escrituras espirituais e livros de rodas as religiões e caminhos.

“Permaneçam em equilíbrio o tempo todo. Aprendam a viver no Tao, que é como surfar sobre a onda. Deixem todos os extremismos. Sigam o caminho do meio.

“Pratiquem a cura de atitude. Quando começarem a se sentir mal, examinem as atitudes e crenças que o fazem sentir-se assim. Pratiquem afirmações e visualizações positivas.

“Permaneçam ancorados e em conexão com a Mãe Terra. Muitas pessoas espiritualizadas não estão bem ancoradas e nem integrando as faces materiais de Deus de maneira conveniente. Deus vive tanto na matéria quanto nas dimensões elevadas. A ideia é trazer o Céu para a Terra.

“Aprendam a equilibrar os aspectos femininos e masculinos. Este é um pré-requisito para a ascensão.

“Aprendam a integrar as três mentes. Todas elas precisam ser utilizadas e integradas com o poder total a cada nível.

“Demonstrem e pratiquem tudo o que sabem e mais lhe será dado. Aquilo que aprendem e não praticam em sua vida é inútil.

“Pratiquem alguma forma de oração, visualização ou afirmação para proteção todos os dias, como um hábito espiritual pela sua vida inteira. Esta é um prática básica e simples, que todos no caminho devem desenvolver.

“Aprendam a equilibrar seus quatro corpos - físico, emocional, mental e espiritual.

“Façam algum tipo de exercício físico diário ou dia-sim-dia-não. Ser espiritual não significa parar com a disciplina física.

“Perdoem tudo e todos, inclusive vocês mesmos. "O perdão é a chave para a felicidade". Ressentimentos só machucam e os prendem ao processo de reencarnação.

“Transcendam a dualidade. É a consciência de permanecer em paz interior, felicidade e alegria independentemente do que esta acontecendo em torno. As questões externas não o afetam.

“Cultivem preferências e não apegos. "Todo sofrimento vem dos apegos" (Buda).

“Aprendam a se amar. Se não se amam, vão procurar amor, valor, aprovação e aceitação nos outros.” Quando morrerem fisicamente permitam que o único pensamento em sua mente seja a fusão com a clara Luz de Deus.

“Quando estiverem morrendo, que seu último pensamento seja o nome de Deus. Para onde vocês vão quando morrem é determinado pelo último pensamento em sua mente. Quando abandonarem este corpo físico, façam-no pelo chakra coronário.

“Sejam cuidadosos com Deus e Seu reino. Muitas pessoas funcionam no piloto automático e não são suficientemente cuidadosas em relação aos pensamentos e energias que permitem entrar em suas mentes.

"Para terem tudo, deem tudo a todos". (Aqui não está se referindo aos bens materiais, especificamente falando). Quando se negam a dar qualquer aspecto da criação, estão negando a si mesmos.

“Olhem com seus olhos espirituais e não com os olhos físicos e egoístas. Vocês podem ver a vida através da mente crítica do ego negativo ou verem a si e seus irmãos como deuses.

“Cultivem a compaixão. Nunca esqueçam que o sofrimento do outro é na verdade o seu. Deus tem somente um filho e todos somos parte desta filiação.

“Liberem toda a consciência de separação, medo e egoísmo, pois este é o câncer do ego negativo.

“Tomem muito cuidado com o corpo físico, pois o crescimento espiritual na Terra se torna extremamente difícil quando ele se começa a deteriorar. O corpo físico é o templo da alma e do espírito que vocês são.

“Tornem-se desapegados. Significa viver neste mundo, mas não ser deste mundo. É o voto de viver uma vida de desapego e ao mesmo tempo continuar envolvido no serviço de Deus.

“O caminho espiritual é realmente muito simples. Se desejam estar com Deus no Céu, então ajam como Ele. Sejam Deus. Sejam Cristo. Sejam Buda, o Atma, o Eu Eterno sobre a Terra.

“Cultivem um caráter sem defeitos e mantenham virtude continua em tudo o que fazem.

“Purifiquem seus quatro corpos das toxinas físicas, emocionais, mentais e energéticas.

“Amem seus inimigos.

“Vejam somente perfeição. Quando ocorrer qualquer coisa que não seja perfeita, rezem para sua poderosa Presença Eu Sou para curar e remediar a situação ou façam afirmações sobre a verdadeira perfeição, assim como Deus a vê.

“Sejam a causa e o criador de sua realidade. Não sejam a vítima ou efeito de alguma coisa.

“Evoquem os doze raios o dia todo, escolhendo sempre a qualidade e a cor energética que precisam em cada momento. Os raios e energias vêm no mesmo instante, mas é preciso pedir por elas.

“Em todas as situações de vida, especialmente nas difíceis perguntem-se: "Eu quero Deus ou o meu ego nesta situação?".

“Vejam erros como aprendizados. Ganhem a pepita dourada da sabedoria. Perdoem-se e vão em frente. Não percam tempo com culpas e arrependimentos. Erros são positivos.

“Pratiquem a religião baseados numa premissa universalista. Todas as religiões e caminhos são iguais e levam ao mesmo lugar. Nenhuma comparação ou competição entre caminhos é necessário.

“Sejam ecléticos em sua educação espiritual, Deus é muito vasto e ilimitado para ser compreendido numa só forma.

“Transcendam a sexualidade carnal. A pornografia pertence ao eu inferior. Aprendam a praticar a moderação em seus hábitos sexuais e a elevar a energia aos chakras superiores.

“Ajudem os pobres, doentes e inválidos. É somente pela graça de Deus que vocês não estão na mesma situação.

“Desistam do pensamentos de ataque. O ataque não é de Deus. Vem do medo, que é a essência do ego negativo. Na verdade, um ataque é um pedido de amor.

“Entreguem a sua vida a Deus e, ao mesmo tempo, continuem sendo senhores do seu poder.

“Mantenham um diário e escrevam seus sonhos todos os dias, ao acordar. Eles são orientações de suas mentes subconscientes e supra conscientes.

“Mantenham seu ambiente interno e externo limpos.

Toda noite, antes de dormir, peçam para serem ensinados no plano interno pela sua alma, Mônada e Mestres Ascensionados. Aproveitem seu sono para acelerar sua ascensão.

Abandonem todas as drogas, álcool, e estimulantes artificiais e diminuam o açúcar e os doces. Estamos tentando nos equilibrar no nível psicológico e físico.

“Cumpram seu dharma nesta vida. Não permitam que o ego negativo de outras pessoas o arrastem a caminhos que sua alma e Mônada não gostariam que seguissem. Esta vida é muito preciosa e importante.

“Procurem equilibrar seu Karma construindo somente bons pensamentos, palavras e ações.

“Porque se preocupar, se você pode rezar?

“Tenham fé implícita, confiança e paciência em Deus e Suas leis."

“Nunca esqueçam que é sua mente que cria a servidão e a liberação.

“Transcendam todas as crenças de que vocês são superiores ou inferiores a qualquer outra pessoa. Todos são o Eu Eterno.

“Procure cooperar e nunca competir e nunca se compare ao outros.

“Nunca esqueçam que seu valor vem de Deus.

“ Não julgues e não serás julgado. "... "Jogue a primeira pedra aquele que não tiver pecado."... "Não tente tirar o cisco do olho de seu irmão quando há uma tora no seu.

“Mãos que ajudam são mais sagradas que lábios que rezam.

“Façam um altar em casa para rezar, meditar e para as práticas espirituais.

“Livrem-se de seus maus hábitos agora, para não carregá-los quando passarem ao mundo dos espíritos.

“Perguntem-se constantemente: "Quem sou eu? ”e respondam... Eu Sou o Eterno, Eu Sou Deus, Eu Sou Luz.

“Bebam de seis a oito copos de água por dia, tomem muito sol e ar fresco.

“Usem constantemente a atenção para discernir entre o real e o irreal, o permanente e o efêmera, a verdade e a ilusão, as aparências e a realidade além da forma.

“Pensem constantemente em Deus.

“Espiritualizem todas as atividades. Vocês são Deus em ação.

“Pratiquem a bondade amorosa em relação a todos os seres sensíveis.

“Responsabilizem-se por serem guias espirituais dos reinos animal, vegetal e mineral.

“Cultivem um desejo intenso de alcançar a ascensão e liberação para melhor servirem os seres sensíveis.

“Pratiquem a humildade.

Abençoem a pessoa que o amaldiçoa.

“Transmutem uma boa parte de sua sexualidade em iluminação cerebral.

“Façam o voto de imortalidade física.

“Façam o voto de Bramacharya (pureza de pensamento, palavra e ação).

“Mantenham uma dieta saudável (alimentos suaves, orgânicos e naturais).

“Deem-se um momento diário de auto-análise, introspecção e auto-exames ante de se deitarem.

“Procurem sempre o amor e não os defeitos.

“Mantenham uma planilha de desenvolvimento espiritual como mantêm uma planilha de orçamento e impostos.

“Sirvam aos seus semelhantes com uma atitude d indiferença quanto ao fruto de seus atos.

“Entoem o mantra OM a cada oportunidade apropriada. (O Bhagavad_Gita diz que aqueles que meditam e entoam o OM no momento da morte atingem o estado supremo).

“Façam um voto de não-violência.

“Repitam o mantra SO HAM o dia todo em coordenação com sua respiração.

"Pratiquem a negação e a afirmação. "Neguem entrada em sua mente a pensamentos que não são de Deus." Voltem sua atenção a um pensamento positivo ou a uma imagem Cristica.

"Construam o Antakarana e levem sua alma até Deus.

Aprendam a viajar com sua alma conscientemente e cultive a habilidade do sonho lúcido.

"Estudem intensamente os trabalhos dos sete níveis de iniciação.

"Dominem e subjuguem o morador do limiar (glamour, maia, ilusão).

"Pratiquem ser um mestre Ascensionado e realizando-em-Deus, mesmo que não tenham chegado a este nível de iniciação.

"Descubram a estrutura do raio de sua Mônada, alma, personalidade, mente, emoções e corpo para melhor compreender sua missão nesta vida e sua conexão.

Evoquem seus chakras superiores. Eliminem o sentimento de separação em todos os níveis de seu consciente.

"Sejam politicamente ativos em algum nível.

"Reconheçam a vida extraterrestre, em todos os planos do Universo infinito de Deus, como irmãos e irmãs numa família universal.

"Honrem os espíritos da natureza, como vocês o fazem em relações aos Mestres Ascensionados e Deus.

Quando passarem pela terceira iniciação (fusão da alma), comecem a polarizar sua consciência em sua Mônada (a Presença Eu Sou) e na tríade espiritual (Chama Trina).

"Limpem todos seus implantes extraterrestres. Nunca esqueçam que são a alma e a Mônada vivendo neste seu corpo, aqui na Terra.

"Vivam com integridade suprema, pois enganar uma pessoa é literalmente enganar a Deus e a si próprio.

"Encontrem professores espirituais, neste plano e no plano ascensionado. Não estou recomendando um guru, mas um instrutor. Há sempre alguém acima de nós de quem podemos aprender, assim como pessoas abaixo a quem podemos ensinar.

"Visitem lugares sagrados e lugares de poder espiritual do planeta.

"Desenvolvam a "visão igual" independentemente daquilo que vejam.

"Façam um voto de silêncio durante uma parte do dia e pratiquem o controle da fala.

"Quando surgirem as tentações, dirijam sua consciência para longe e na direção de Deus. O pecado não é ficar sem tentações, mas ser tentado e não fazer nada a respeito.

"Desistam de discutir. Perguntem-se: "Quero amar ou quero vencer?" Vocês não podem ter os dois.

"Comam pouco. Comam para viver, não vivam para comer.

"Identifiquem-se com seu Eu Superior e morram para seu eu inferior.

"Façam votos e compromissos espirituais e atenham-se a eles. Esta é uma das práticas que mais acelera a ascensão.

"Desenvolvam uma meta em sua busca espiritual pela ascensão e a alcançarão no devido tempo.

"Desenvolvam a qualidade de serem um corajoso Guerreiro Espiritual na vida. Vocês são, na verdade, guerreiros espirituais lutando contra o glamour, maia e ilusões.

"Procurem companhia de pessoas que os elevam espiritualmente. Usem seu tempo frequentando aulas, palestras e seminários que os elevam espiritualmente. Vão ver santos e sábios quando eles visitarem sua cidade. Evitem as más companhias e pessoas que são dominadas por seu eu inferior. Quando estiverem perto de pessoas assim, coloquem sua proteção e autodefesas psíquicas.

"Não desperdicem nem um momento de tempo ou energia. A morte pode acontecer a qualquer momento. Não perca tempo com o que é efêmero.

"Simplifiquem sua vida. Reduzam seus desejos e necessidades.

"Que Deus seja seu primeiro pensamento ao acordar e o último ao adormecer.

"Sejam rigorosos em relação a sua dieta mental, emocional e espiritual. Não percam tempo com filmes de violência, novelas e shows de TV sem valor. A vida é curta e preciosa.

Divirtam-se, mas façam-no dentro do contexto do Pai. A ascensão exige um compromisso total de vinte e quatro horas diárias, mesmo durante o sono. O verdadeiro prazer é servir a Deus.

"Deem dez por cento de seu salário, dinheiro ou energia a alguma causa caridosa.

Vocês têm de ser generosos com os outros se quiserem que o Universo o seja com vocês.

"Para tudo correr bem em sua vida digam : "Que seja não o meu desejo, mas o Seu".

"Mantenham-se constantes na consciência, quer as pessoas o critiquem ou elogiem. Nunca esqueçam: "Depois do orgulho vem a queda."

"Conheçam-se, o que quer dizer "conheça a Deus", pois é isto o que são.

"Suas práticas espirituais devem ser estáveis e graduais, cheias de sinceridade, bom-senso e perseverança.

"Não usem o nome do Senhor em vão.

"Removam as marcas de egoísmo e negatividade de seu consciente.

"Definam sua rotina espiritual para que não seja muito fácil nem muito difícil e atenham-se a ela. Isto inclui disciplina físicas como exercícios, dietas, etc., assim como práticas espirituais.

"Lembrem-se de que há duas emoções: amor e medo. Não existem pensamentos neutros. Toda a realidade vem de um ou de outro.

"Evitem olhar os outros com pensamentos lascivos. Vejam primeiro o Eu Eterno e o Cristo antes de olhar com os olhos físicos.

" "Procure e encontrarás. Bata e a porta se abrirá."

"Permaneçam obedientes a Deus e Suas leis. É através desta compreensão que evitam sofrimento.

"Sua salvação é um problema seu e não de Deus. Deus já lhes deu tudo. A questão é o que querem dar para si mesmos?

"Sejam positivos e otimistas em tudo.

" "Fiquem quietos e saibam "Eu Sou Deus."

"Evoquem o décimo-segundo Raio Dourado e a energia de Mahatma, pois ele são as frequências mais elevadas que temos disponíveis na Terra.

Trabalhem com o Programa de Assistência Médica dos Mestres Ascensionados para elevar sua saúde física numa base regular.

"Afirmem constantemente que sua glândula pituitária parou de produzir o hormônio que provoca a morte e está produzindo somente o da vida.

"Evoquem todo dia um "alinhamento axial", como o descrito nas "Chaves de Enoch", para equilibrarem todo seu sistema de meridianos e campos espiritual e etérico (alinhamento de chakras.

"Evoquem seu Eu Ascensionado de quinta dimensão (que já alcançou a ascensão na realidade do não tempo e não espaço).

"Evoquem o Mahatma todos os dias. Esta é uma maneira segura de acelerar sua ascensão mil vezes.

"Vejam-se como a Mônada ou Presença Eu Sou. A Presença Eu Sou, não está mais acima de vocês vocês são a Presença Eu Sou na Terra.

"Pratiquem a meditação e exercícios para a ascensão.

"Em sua meditações e orações evoquem e sintonizem o "âmago galáctico" e os instrutores galácticos. Este nível acabou de se tornar disponível para a humanidade e pode ajudá-los a ancorar totalmente seu corpo de luz no nível físico.

De Joshua David Stone

Tratado de merecimento

Sou merecedor. Mereço tudo que é bom.
Não uma parte, não um pouquinho, mas tudo o que é bom.
Agora me afasto de todos os pensamentos negativos, restritivos.
Liberto e deixo ir as limitações dos meus pais. Eu os amo e vou além deles.
Não sou suas opiniões negativas, nem suas crenças cerceadoras.
Não sou contido por nenhum dos medos ou preconceitos da sociedade em que vivo.
Não me identifico mais com limitação nenhuma.
Em minha mente eu sou livre.
Agora me transporto para um novo espaço de consciência, onde estou disposto a me ver de maneira diferente.
Estou decidido a criar novos pensamentos sobre mim mesmo e sobre a minha vida.
Eu agora sei e afirmo que sou uno com o
PODER DE PROSPERIDADE DO UNIVERSO.
Assim, prospero de inúmeras maneiras.
Está diante de mim a totalidade das possibilidades.
Mereço vida, uma boa vida..
Mereço amor, uma abundância de amor...
Mereço viver com conforto e prosperar.
Mereço boa saúde. Mereço alegria e felicidade.
Mereço a liberdade de ser tudo o que posso ser..
Mereço mais que isso, mereço tudo que é bom.
O universo está mais do que disposto a manifestar minhas novas crenças.
Aceito essa vida abundante com alegria, prazer e gratidão, pois sou merecedor.
Eu a aceito, sei que é verdadeira.

'Ponto Deus' no cérebro


Uma frente avançada das ciências, hoje, é constituída pelo estudo do cérebro e de suas múltiplas inteligências. Alcançaram-se resultados relevantes, também para a religião e a espiritualidade. Enfatizam-se três tipos de inteligência. A primeira é a inteligência intelectual, o famoso QI (Quociente de Inteligência), ao qual se deu tanta importância em todo o século XX. É a inteligência analítica pela qual elaboramos conceitos e fazemos ciência. Com ela organizamos o mundo e solucionamos problemas objetivos.

A segunda é a inteligência emocional, popularizada especialmente pelo psicólogo e neurocientista de Harvard David Goleman, com seu conhecido livro A Inteligência emocional (QE = Quociente Emocional). Empiricamente mostrou o que era convicção de toda uma tradição de pensadores, desde Platão, passando por Santo Agostinho e culminando em Freud: a estrutura de base do ser humano não é razão (logos) mas é emoção (pathos). Somos, primariamente, seres de paixão, empatia e compaixão, e só em seguida, de razão. Quando combinamos QI com QE conseguimos nos mobilizar a nós e a outros.

A terceira é a inteligência espiritual. A prova empírica de sua existência deriva de pesquisas muito recentes, dos últimos 10 anos, feitas por neurólogos, neuropsicólogos, neurolingüistas e técnicos em magnetoencefalografia (que estudam os campos magnéticos e elétricos do cérebro). Segundo esses cientistas, existe em nós, cientificamente verificável, um outro tipo de inteligência, pela qual não só captamos fatos, idéias e emoções, mas percebemos os contextos maiores de nossa vida, totalidades significativas, e nos faz sentir inseridos no Todo. Ela nos torna sensíveis a valores, a questões ligadas a Deus e à transcendência. É chamada de inteligência espiritual (QEs = Quociente espiritual), porque é próprio da espiritualidade captar totalidades e se orientar por visões transcendentais.

Sua base empírica reside na biologia dos neurônios. Verificou-se cientificamente que a experiência unificadora se origina de oscilações neurais a 40 herz, especialmente localizada nos lobos temporais. Desencadeia-se, então, uma experiência de exaltação e de intensa alegria como se estivéssemos diante de uma Presença viva.

Ou inversamente, sempre que se abordam temas religiosos, Deus ou valores que concernem o sentido profundo das coisas, não superficialmente mas num envolvimento sincero, produz-se igual excitação de 40 herz.

Por essa razão, neurobiólogos como Persinger, Ramachandran e a física quântica Danah Zohar batizaram essa região dos lobos temporais de ''o ponto Deus''.

Se assim é, podemos dizer em termos do processo evolucionário: o universo evoluiu, em bilhões de anos, até produzir no cérebro o instrumento que capacita o ser humano perceber a Presença de Deus, que sempre estava lá embora não percebível conscientemente. A existência desse ''ponto Deus'' representa uma vantagem evolutiva de nossa espécie homo. Ela constitui uma referência de sentido para nossa vida. A espiritualidade pertence ao humano e não é monopólio das religiões.
Antes, as religiões são uma das expressões desse ''ponto Deus''.

Ciência e Espiritualidade


Fato ocorrido em 1892, verdadeiro e parte integrante da biografia do protagonista.

Um senhor de 70 anos viajava de trem, tendo ao seu lado um jovem universitário, que lia o seu livro de ciências. O senhor, por sua vez, lia um livro de capa preta. Foi quando o jovem percebeu que se tratava da Bíblia, e estava aberto no livro de Marcos.

Sem muita cerimônia, o jovem interrompeu a leitura do velho e perguntou:

- O senhor ainda acredita neste livro cheio de fábulas e crendices?

- Sim, mas não é um livro de crendices. É a Palavra de Deus. Estou errado?

- Mas é claro que está! – retrucou o jovem - Creio que o senhor deveria estudar a História Universal. Veria que a Revolução Francesa, ocorrida há mais de 100 anos, mostrou a miopia da religião. Somente pessoas sem cultura ainda crêem que Deus tenha criado o mundo em seis dias. O senhor deveria conhecer um pouco mais sobre o que os nossos cientistas pensam e dizem sobre tudo isso.

- É mesmo? E o que pensam e dizem os nossos cientistas sobre a Bíblia? – perguntou o velho, demonstrando o interesse de quem quer aprender um pouco.

- Bem - respondeu o universitário - como vou descer na próxima estação, falta-me tempo agora, mas deixe o seu cartão que eu lhe enviarei o material pelo correio com a máxima urgência.

O velho então, cuidadosamente, abriu o bolso interno do paletó e deu o seu cartão ao universitário. Quando o jovem leu o que estava escrito, saiu cabisbaixo, sentindo-se pior que uma ameba.

No cartão estava escrito:

Professor Doutor Louis Pasteur
Diretor Geral do Instituto de Pesquisas Científicas da Universidade Nacional da França

Um pouco de ciência nos afasta de Deus. Muito, nos aproxima.
Louis Pasteur

A Paixão

O homem apaixona-se com relativa facilidade. Dizer “estou apaixonado” é hoje algo bastante corriqueiro. Estas palavras em muitas situações têm pouco ou nenhum valor. Costumamos apaixonar-nos com facilidade e como vem fácil, a paixão vai rapidamente, sem ao menos esperar criar raízes. Isto deixa sempre uma sensação de vazio. Na verdade, a tendência é nos apaixonarmos por pessoas que julgamos que podem nos dar ou acrescentar algo que nos falta. Isto não é assim tão fácil e o resultado, todos conhecem, muita desarmonia.
O outro é um mistério, tem sua própria lógica, seus ideais, realidades e sonhos. O outro vem de uma família com seus valores diferentes e suas expectativas de futuro.
Faz-se necessário, compreensão, tolerância e principalmente compaixão para construção de uma amor bonito com ternura e amor ideal.

Necessidade de complementação
Relacionamento – intelectual e sensibilidade
Sacrifício da individualidade – quem ama faz coisas que não imaginava fazer para manter um relacionamento
Queremos uma pessoa atraente, desejável e brilhante para preencher as necessidades afetivas porém nestes casos as relações não trazem segurança nem harmonia na relaçã, ao contrário, podem acontecer conflitos sérios entre emoções e verdadeiros sentimentos.
É preciso distinguir as Relações socialmente aceitáveis eas psicologicamente aceitáveis
Perceber as diferenças entre Amor - calor, afeição, relacionamentos humanos e as relações geradoras de desequilíbrio mental, emocional, as crises conjugais e sexuais

Qual é o significado ou propósito da sua vida?

Como andam seus anseios, sonhos, necessidades e desilusões?

Lealdade e sinceridade
Homem e mulher amam diferente – dependendo do signo e do sistema de crenças, das experiências positivas ou negativas – a pessoa ama ou se apaixona diferente – pessoas do signo sagitário, por exemplo, costumam amar tudo que é novo e excitante

Tendência a reprimir emoções
É tempo de aproveitar o mundo de emoções em causa própria. Conhecer os aspectos subjetivos que são em grande parte, o tesouro que acumulamos através do tempo.
Emoção = ato de mover = movimento dos sentimentos
Usar com inteligência o movimento das emoções – reagir de modo equilibrado e harmonioso
Movimento constante e infinito do processo emocional em busca da felicidade
O outro pode ser o reflexo de nós mesmos – olhar como um espelho –com nos vemos? Como nos vêm? Identificar o movimento, todo o processo e como transitamos por ele, em meio ao mar das emoções
Emoções momentâneas, rápidas x emoções maduras, sem pressa de ser vividas, mais profundas
Como fluem? O que permitimos nos mostrar? Como nos permitimos viver?

MCA

Direcionando energia para atingir seus objetivos

Você acredita que pode chegar lá?
Não? Acredita não ser capaz de subir a montanha ou atravessar a água? Onde está essa crença em você? No coração? Na mente?
O sistema de crenças pode estar impedindo você de caminhar em frente, seguir o mapa do tesouro, talvez seja necessário avaliar o seu sistema de crenças e valores.
Temos em nós um tipo especial de energia muito importante. Ela precisa ser ampliada, mas está esperando em algum lugar para se tornar acessível. É a energia motivadora, mobilizadora que gera força, saber querer e desenvolver criatividade
Como se sente enquanto deseja algo? Querer deixa você cansado, esgotado, desenergisado? Talvez esteja gastando energia demais. Consumindo uma grande quantidade de combustível sem direcionar esse gasto para o objetivo que quer alcançar.
O sonho deve atender às necessidades pessoais de projeção e realização.
nível de satisfação desejado deve estar em relação direta com o gasto de energia. Se está havendo maior consumo de energia do que de ganho, isso significa que não está sendo bem administrado. Talvez os riscos de insucesso não estejam sendo bem avaliados.
Objetivos mal traçados, costumam desperdiçar tempo e energia. Recursos que podem ser melhor aproveitados se houver cuidado com essas questões. Pode se perguntar: Esse sonho é algo que projeta minha imagem da maneira que desejo? Não estará afetando a saúde física, emocional, mental? Pode ser que quando alcançado torne-se algo indesejado.
Avalie com o máximo de clareza se sua personalidade está coerente com a imagem que terá, caso realize o sonho ou alcance o objetivo.
Analisar desse modo permite descobrir os pensamentos, comportamentos, atitudes enfim, o padrão que está por trás do desejo. Do mesmo modo, pode perceber se esse padrão está gerando stress em nível indesejado. Ou ativando mecanismos de desequilíbrio físico ou psíquico.
A energia geradora de stress pode ser transformada em algo positivo. Aumentar a vontade de querer. Produzir através da energia de stress, maior poder criativo
Paralelamente, é fundamental desenvolver hábitos alimentares adequados, reservar tempo para atividades de lazer, e, principalmente, criar relações saudáveis. Praticar exercícios, relaxamento, trabalhar com cores, desenvolver educação musical, ou seja, dar-se a oportunidade de aprender a ouvir música que gera harmonia no ambiente e equilíbrio interno. Essas são estratégias indispensáveis para administrar a ansiedade que pode ser gerada quando se deseja algo com intensidade.

MCA

Sonho x Realidade

Você conhece seus sonhos?
Ou não sonha mais?
É importante saber a relação entre o sonho e a realidade
Os seus sonhos podem tornar-se realidade?
Talvez seja preciso promover algumas mudanças na maneira de pensar e sonhar. Distinguir com clareza os recursos disponíveis para transformar um sonho em um objetivo a alcançar. Aprender a formular seus objetivos de forma coerente e consciente. Sem ilusões, dentro da sua realidade.
Conhecer as limitações e os recursos que permitam dar os passos adiante.
Ter conhecimento de critérios e valores. Saber se o sonho, tornando-se realidade, vai ser um elemento a favor da sua felicidade. Muitas vezes os sonhos que sonhamos durante meses ou mesmo anos, ao serem realizados, trazem infelicidade ao invés da felicidade tão perseguida e desejada.
Ao falar sobre a importância de traçar os objetivos com bastante clareza, quero deixar a idéia de aprender a querer com bom senso. Avaliar os recursos que estão ao seu dispor, antes de sair gastando energia para realizar o sonho, é usar o bom senso a seu favor.
Pode acontecer de precisar recursos que não estão disponíveis. Ótimo! Chegar a essa conclusão, permite seguir na direção correta. Você pode ir em busca desses recursos onde eles estão. Talvez seja preciso pesquisar, estudar, aprimorar-se...Mas este é um passo importante desde que queira realmente chegar a algum lugar, o lugar do sonho. Talvez seja necessário subir até o ponto mais alto da montanha, ou mesmo atravessar um lago de águas profundas, nadar até o outro lado, onde estão os instrumento necessários para cavar e encontrar o tesouro que busca, o sonho desejado.

MCA

Carroça vazia

Certa manhã, meu pai, muito sábio, convidou-me a dar um passeio no bosque. Ele se deteve numa clareira e depois de um pequeno silêncio me perguntou
- Além do cantar dos pássaros, você está ouvindo mais alguma coisa?
Apurei os ouvidos alguns segundos e respondi:
- Estou ouvindo um barulho de carroça.
- Isso mesmo, disse meu pai, é uma carroça vazia...
Então perguntei ao meu pai:
- Como pode saber que a carroça está vazia, se ainda não a vimos?
- Ora, respondeu meu pai, é muito fácil saber que uma carroça está vazia por causa do barulho.
Quanto mais vazia a carroça maior é o barulho que faz!
Tornei-me adulto, e até hoje, quando vejo uma pessoa falando demais, gritando (no sentido de intimidar), tratando o próximo com grossura inoportuna, prepotência, interrompendo a conversa de todo mundo e querendo demonstrar que é a dona da razão e da verdade absoluta, tenho a impressão de ouvir o meu pai dizendo:
...Quanto mais vazia a carroça, mais barulho ela faz!
(Autor Desconhecido)

Torne-se Oceano

TORNE-SE UM OCEANO

"Olha para trás, para toda a jornada:
os cumes, as montanhas, o longo
caminho sinuoso através das florestas,
através dos povoados, e vê à sua frente
um oceano tão vasto que entrar nele nada mais
é do que desaparecer para sempre.

Mas não há outra maneira.
O rio não pode voltar.
Ninguém pode voltar.
Voltar é impossível na existência.
Você pode apenas ir em frente.

O rio precisa se arriscar e entrar no oceano.
E somente quando ele entra no oceano é que
o medo desaparece, porque apenas então o rio saberá
que não se trata de desaparecer no oceano.
Mas tornar-se oceano.

Por um lado é desaparecimento e
por outro lado é renascimento.

Assim somos nós.
Voltar é impossível na existência.
Você pode ir em frente e se arriscar..
Coragem!

Torne-se OCEANO!"
OSHO

Atritos


ATRITOS

Ninguém muda ninguém; ninguém muda sozinho; nós mudamos nos encontros.
Simples, mas profundo, preciso. É nos relacionamentos que nos transformamos.

Somos transformados a partir dos encontros, desde que estejamos abertos e livres para sermos impactados pela idéia e sentimento do outro.

Você já viu a diferença que há entre as pedras que estão na nascente de um rio, e as pedras que estão em sua foz? As pedras na nascente são toscas, pontiagudas, cheias de arestas.

À medida que elas vão sendo carregadas pelo rio sofrendo a ação da água e se atritando com as outras pedras, ao longo de muitos anos, elas vão sendo polidas, desbastadas.

Assim também agem nossos contatos humanos. Sem eles, a vida seria monótona, árida.
A observação mais importante é constatar que não existem sentimentos, bons ou ruins, sem a existência do outro, sem o seu contato.

Passar pela vida sem se permitir um relacionamento próximo com o outro, é não crescer, não evoluir, não se transformar. É começar e terminar a existência com uma forma tosca, pontiaguda, amorfa.

Quando olho para trás, vejo que hoje carrego em meu ser várias marcas de pessoas extremamente importantes.
Pessoas que, no contato com elas, me permitiram ir dando forma ao que sou, eliminando arestas, transformando- me em alguém melhor, mais suave, mais harmônico, mais integrado.
Outras, sem dúvidas, com suas ações e palavras me criaram novas arestas, que precisaram ser desbastadas.

Faz parte... Reveses momentâneos servem para o crescimento. A isso chamamos experiência.
Penso que existe algo mais profundo, ainda nessa análise.
Começamos a jornada da vida como grandes pedras, cheia de excessos.

Os seres de grande valor,percebem que ao final da vida, foram perdendo todos os excessos que formavam suas arestas, se aproximando cada vez mais de sua essência, e ficando cada vez menores, menores,menores...

Quando finalmente aceitamos que somos pequenos, ínfimos, dada a compreensão da existência e importância do outro, e principalmente da grandeza de Deus, é que finalmente nos tornamos grandes em valor.

Já viu o tamanho do diamante polido, lapidado? Sabemos quanto se tira de excesso para chegar ao seu âmago.

É lá que está o verdadeiro valor...
Pois, Deus fez a

Para chegarmos a esse âmago,temos que nos permitir, através dos relacionamentos, ir desbastando todos os excessos que nos impedem de usá-lo,de fazê-lo brilhar

Por muito tempo em minha vida acreditei que amar significava evitar sentimentos ruins.
Não entendia que ferir e ser ferido, ter e provocar raiva, ignorar e ser ignorado faz parte da construção
do aprendizado do amor.

Não compreendia que se aprende a amar sentindo todos esses sentimentos contraditórios e...os superando.

Ora, esses sentimentos simplesmente não ocorrem se não houver envolvimento. ..
E envolvimento gera atrito.
Minha palavra final:
ATRITE-SE!

Não existe outra forma de descobrir o amor.
E sem ele a vida não tem significado.

Roberto Crema)

A pequena Alma e o Sol

Era uma vez, em tempo nenhum, uma Pequena Alma que disse a Deus:
- Eu sei quem sou!
E Deus disse:
- Que bom! Quem és tu?
E a Pequena Alma gritou:
- Eu sou Luz
E Deus sorriu.
- É isso mesmo! - exclamou Deus. – Tu és Luz!
A Pequena Alma ficou muito contente, porque tinha descoberto aquilo que todas as almas do Reino deveriam descobrir.
- Uauu, isto é mesmo bom! - disse a Pequena Alma.
Mas, passado pouco tempo, saber quem era já não lhe chegava. A pequena Alma sentia-se agitada por dentro, e agora queria ser quem era. Então foi ter com Deus ( o que não é má idéia para qualquer alma que queira ser Quem Realmente É ) e disse:
- Olá Deus! Agora que sei Quem Sou, posso sê-lo?
E Deus disse:
- Quer dizer que queres ser Quem já És?
- Bem, uma coisa é saber Quem Sou, e outra coisa é sê-lo mesmo. Quero sentir como é ser a Luz! - respondeu a pequena Alma.
- Mas tu já és Luz - repetiu Deus, sorrindo outra vez.
- Sim, mas quero senti-lo! - gritou a Pequena Alma.
- Bem, acho que já era de esperar. Tu sempre foste aventureira - disse Deus com uma risada. Depois a sua expressão mudou.
- Há só uma coisa...
O quê? - perguntou a Pequena Alma.
- Bem, não há nada para além da Luz.
Porque eu não criei nada para além daquilo que tu és; por isso, não vai ser fácil experimentares-te como Quem És, porque não há nada que tu não sejas.
- Hã? - disse a Pequena Alma, que já estava um pouco confusa.
- Pensa assim: tu és como uma vela ao Sol. Estás lá sem dúvida. Tu e mais milhões, ziliões de outras velas que constituem o Sol. E o Sol não seria o Sol sem vocês. 'Não seria um sol sem uma das suas velas... e isso não seria de todo o Sol, pois não brilharia tanto. E no entanto, como podes conhecer-te como a Luz
quando estás no meio da Luz - eis a questão'.
- Bem, tu és Deus. Pensa em alguma coisa! - disse a Pequena Alma mais animada.
Deus sorriu novamente.
- Já pensei. Já que não podes ver-te como a Luz quando estás na Luz, vamos rodear-te de escuridão - disse Deus.
- O que é a escuridão? perguntou a Pequena Alma.
- É aquilo que tu não és - replicou Deus.
- Eu vou ter medo do escuro? - choramingou a Pequena Alma.
- Só se o escolheres. Na verdade não há nada de que devas ter medo, a não ser que assim o decidas. Porque estamos a inventar tudo. Estamos a fingir.- Ah! - disse a Pequena Alma, sentindo-se logo melhor.
Depois Deus explicou que, para se experimentar o que quer que seja, tem de aparecer exactamente o oposto.
- É uma grande dádiva, porque sem ela não poderíamos saber como nada é - disse Deus - Não poderíamos conhecer o Quente sem o Frio, o Alto sem o Baixo, o Rápido sem o Lento. Não poderíamos conhecer a Esquerda sem a Direita, o Aqui sem o Ali, o Agora sem o Depois. E por isso, - continuou Deus - quando estiveres rodeada de escuridão, não levantes o punho nem a voz para amaldiçoar a escuridão.
'Sê antes uma Luz na escuridão, e não fiques furiosa com ela. Então saberás Quem Realmente És, e os outros também o saberão.
Deixa que a tua Luz brilhe tanto que todos saibam como és especial!'
- Então posso deixar que os outros vejam que sou especial? - perguntou a Pequena Alma.
- Claro! - Deus riu-se. - Claro que podes! Mas lembra-te de que 'especial' não quer dizer 'melhor'! Todos são especiais, cada qual à sua maneira! Só que muitos esqueceram-se disso. Esses apenas vão ver que podem ser especiais quando tu vires que podes ser especial!
- Uau - disse a Pequena Alma, dançando e saltando e rindo e pulando. - Posso ser tão especial quanto quiser!
- Sim, e podes começar agora mesmo - disse Deus, também dançando e saltando e rindo e pulando juntamente com a Pequena Alma - Que parte de especial é que queres ser?
- Que parte de especial? - repetiu a Pequena Alma. - Não estou a perceber.
- Bem, - explicou Deus - ser a Luz é ser especial, e ser especial tem muitas partes. É especial ser bondoso. É especial ser delicado. É especial ser criativo. É especial ser paciente. Conheces alguma outra maneira de
ser especial?
A Pequena Alma ficou em silêncio por um momento.
- Conheço imensas maneiras de ser especial! - exclamou a Pequena Alma - É especial ser prestável. É especial ser generoso. É especial ser simpático. É especial ser atencioso com os outros.
- Sim! - concordou Deus - E tu podes ser todas essas coisas, ou qualquer parte de especial que queiras ser, em qualquer momento. É isso que significa ser a Luz.
- Eu sei o que quero ser, eu sei o que quero ser! - proclamou a Pequena Alma com grande entusiasmo. - Quero ser a parte de especial chamada 'perdão'. Não é ser especial alguém que perdoa?
- Ah, sim, isso é muito especial, assegurou Deus à Pequena Alma.
- Está bem. É isso que eu quero ser. Quero ser alguém que perdoa. Quero experimentar-me assim - disse a Pequena Alma.
- Bom, mas há uma coisa que devias saber - disse Deus.
A Pequena Alma já começava a ficar um bocadinho impaciente. Parecia haver sempre alguma complicação.
- O que é? - suspirou a Pequena Alma.
- Não há ninguém a quem perdoar.
- Ninguém? A Pequena Alma nem queria acreditar no que tinha ouvido.
- Ninguém! - repetiu Deus. Tudo o que Eu fiz é perfeito. Não há uma única alma em toda a Criação menos perfeita do que tu. Olha à tua volta.
Foi então que a Pequena Alma reparou na multidão que se tinha aproximado. Outras almas tinham vindo de todos os lados – de todo o Reino - porque tinham ouvido dizer que a Pequena Alma estava a ter uma conversa extraordinária com Deus, e todas queriam ouvir o que eles estavam a dizer.
Olhando para todas as outras almas ali reunidas, a Pequena Alma teve de concordar. Nenhuma parecia menos maravilhosa, ou menos perfeita do que ela. Eram de tal forma maravilhosas, e a Luz de cada uma brilhava tanto, que a Pequena Alma mal podia olhar para elas.
- Então, perdoar quem? – perguntou Deus.
- Bem, isto não vai ter piada nenhuma! - resmungou a Pequena Alma - Eu queria experimentar-me como Aquela que Perdoa. Queria saber como é ser essa parte de especial.
E a Pequena Alma aprendeu o que é sentir-se triste.
Mas, nesse instante, uma Alma Amiga destacou-se da multidão e disse:
- Não te preocupes, Pequena Alma, eu vou ajudar-te - disse a Alma Amiga.
- Vais? - a Pequena Alma animou-se. - Mas o que é que tu podes fazer?
- Ora, posso dar-te alguém a quem perdoares!
- Podes?
- Claro! - disse a Alma Amiga alegremente. - Posso entrar na tua próxima vida física e fazer qualquer coisa para tu perdoares.
- Mas porquê? Porque é que farias isso? - perguntou a Pequena Alma. - Tu, que és um ser tão absolutamente perfeito! Tu, que vibras a uma velocidade tão rápida a ponto de criar uma Luz de tal forma brilhante que mal posso olhar para ti! O que é que te levaria a abrandar a tua vibração para uma velocidade tal que tornasse a tua Luz brilhante numa luz escura e baça? O que é que te levaria a ti, que
danças sobre as estrelas e te moves pelo Reino à velocidade do pensamento, a entrar na minha vida e a tornares-te tão pesada a ponto de fazeres algo de mal?
- É simples - disse a Alma Amiga. - Faço-o porque te amo.
A Pequena Alma pareceu surpreendida com a resposta.
- Não fiques tão espantada - disse a Alma Amiga - tu fizeste o mesmo por mim. Não te lembras? Ah, nós já dançámos juntas, tu e eu, muitas vezes. Dançámos ao longo das eternidades e através de todas as épocas.
Brincamos juntas através de todo o tempo e em muitos sítios. Só que tu não te lembras. Já fomos ambas o Todo. Fomos o Alto e o Baixo, a Esquerda e a Direita. Fomos o Aqui e o Ali, o Agora e o Depois. Fomos o Masculino e o Feminino, o Bom e o Mau - fomos ambas a vítima e o vilão. Encontramo-nos muitas vezes, tu e eu; cada uma trazendo à outra a oportunidade exata e perfeita para Expressar e Experimentar Quem Realmente Somos.
- E assim, - a Alma Amiga explicou mais um bocadinho - eu vou entrar na tua próxima vida física e ser a 'má' desta vez. Vou fazer alguma coisa terrível, e então tu podes experimentar-te como Aquela Que Perdoa.
- Mas o que é que vais fazer que seja assim tão terrível? - perguntou a Pequena Alma, um pouco nervosa.
- Oh, havemos de pensar nalguma coisa - respondeu a Alma Amiga, piscando o olho.
Então a Alma Amiga pareceu ficar séria, disse numa voz mais calma:
- Mas tens razão acerca de uma coisa, sabes?
- Sobre o quê? - perguntou a Pequena Alma.
- Eu vou ter de abrandar a minha vibração e tornar-me muito pesada para fazer esta coisa não muito boa. Vou ter de fingir ser uma coisa muito diferente de mim. E por isso, só te peço um favor em troca.
- Oh, qualquer coisa, o que tu quiseres! - exclamou a Pequena Alma, e começou a dançar e a cantar: - Eu vou poder perdoar, eu vou poder perdoar!
Então a Pequena Alma viu que a Alma Amiga estava muito quieta.
- O que é? - perguntou a Pequena Alma. - O que é que eu posso fazer por ti? És um anjo por estares disposta a fazer isto por mim!
- Claro que esta Alma Amiga é um anjo! - interrompeu Deus, - são todas! Lembra-te sempre: Não te enviei senão anjos.
E então a Pequena Alma quis mais do que nunca satisfazer o pedido da Alma Amiga. - O que é que posso fazer por ti? - perguntou novamente a Pequena Alma.
- No momento em que eu te atacar e atingir, - respondeu a Alma Amiga - no momento em que eu te fizer a pior coisa que possas imaginar, nesse preciso momento...
- Sim? - interrompeu a Pequena Alma - Sim?
A Alma Amiga ficou ainda mais quieta.
- Lembra-te de Quem Realmente Sou.
- Oh, não me hei de esquecer! - gritou a Pequena Alma - Prometo! Lembrar-me-ei sempre de ti tal como te vejo aqui e agora.
- Que bom, - disse a Alma Amiga - porque, sabes, eu vou estar a fingir tanto, que eu própria me vou esquecer. E se tu não te lembrares de mim tal como eu sou realmente, eu posso também não me lembrar durante muito tempo. E se eu me esquecer de Quem Sou, tu podes esquecer-te de Quem És, e ficaremos as duas perdidas. Então, vamos precisar que venha outra alma para nos lembrar às duas Quem Somos.
- Não vamos, não! - prometeu outra vez a Pequena Alma. - Eu vou lembrar-me de ti! E vou agradecer-te por esta dádiva – a oportunidade que me dás de me experimentar como Quem Eu Sou.

E assim o acordo foi feito. E a Pequena Alma avançou para uma nova vida, entusiasmada por ser a Luz, que era muito especial, e entusiasmada por ser aquela parte especial a que se chama Perdão.
E a Pequena Alma esperou ansiosamente pela oportunidade de se experimentar como Perdão, e por agradecer a qualquer outra alma que o tornasse possível.
E, em todos os momentos dessa nova vida, sempre que uma nova alma aparecia em cena, quer essa nova alma trouxesse alegria ou tristeza - principalmente se trouxesse tristeza - a Pequena Alma pensava no que Deus lhe tinha dito.
Lembra-te sempre, - Deus aqui tinha sorrido - não te enviei senão anjos!.


Neale Donald Walsch

Sete passos para lidar com o EGO


Aqui estão sete sugestões para te ajudar a transcender ideias enraizadas acerca da auto-importância. Todas elas são concebidas para te ajudar a impedir que te identifiques falsamente o teu com o auto-importante ego.

1. Pára de te sentires ofendido
O comportamento dos outros não é uma razão para seres imobilizado. O que te ofende só te torna mais fraco. Se estás à procura de ocasiões em que foste ofendido, irás descobri-las em todo o lado. Trata-se do teu ego a funcionar convencendo-te de que o mundo não deveria ser como é. Mas podes tornares-te um apreciador da vida e igualares-te ao Espírito da Criação Universal. Não podes tocar o poder da intenção ao te sentires ofendido. Por todos os meios, age no sentido de erradicar os horrores do mundo que emanam da identificação massiva com o ego, mas fiqua em paz. Como Um Curso em Milagres nos relembra: a Paz é de Deus, tu que és parte de Deus não estás em casa excepto na tua paz. Sendo de Deus, tu que és parte de Deus, não estás em casa excepto na tua paz. Sentires-te ofendido cria a mesma energia destrutiva que o te ofendeu em primeiro lugar e leva-te ao ataque, ao contra-ataque e à guerra.

2. Deixa ir a tua necessidade de vencer
O ego adora dividir-nos em vencedores e perdedores. O objectivo de ganhar é um meio infalível para evitar que a consciência contacte com a intenção. Porquê? Porque, em última instância, é impossível ganhar sempre. Alguém por aí vai ser mais rápido, ter mais sorte, ser mais jovem, mais forte e mais esperto e tu vais voltar a sentires-te inútil e insignificante.
Tu não és os teus ganhos ou vitórias. Podes gostar de competir e de te divertires num mundo em que vencer é tudo, mas não tem que estar isso nos teus pensamentos. Não há perdedores num mundo onde todos partilhamos a mesma fonte de energia. Tudo o que tu podes dizer é que, num dado dia, realizaste um certo nível em comparação com os níveis de outros nesse dia. Mas hoje é outro dia, com outros competidores e novas circunstâncias para considerar. Tu és ainda uma presença infinita num corpo que é um dia (ou década) mais velho. Deixa ir a necessidade de ganhar ao não concordar que o oposto de ganhar seja perder. Esse é o medo do ego. Se o teu corpo não está a fazer de forma a ganhar neste dia, isso simplesmente não importa quando não tu não te identificas exclusivamente com o teu ego. Sê o observador, reparando e desfrutando de tudo sem a necessidade de ganhar um troféu. Está em paz e harmoniza-te com a energia da intenção. E, ironicamente, embora tu mal dês por isso, surgirão mais vitórias na tua vida à medida que menos as procurares.

3. Deixa ir a tua necessidade de ter razão
O ego é a fonte de imensos conflitos e dissensões porque te empurra na direcção de fazer dos outros errados. Quando és hostil, desconectaste-te do poder da intenção. O Espírito criativo é amável, amoroso e receptivo; é livre de raiva, ressentimento ou amargura. Deixar ir a tua necessidade de estar certo nas tuas discussões e relações é como dizer ao ego, Eu não sou um teu escravo! Eu quero abraçar a amabilidade, e rejeito a tua necessidade de estar certo. De facto, vou oferecer a esta pessoa a oportunidade de se sentir melhor dizendo-lhe que está certa e agradecer-lhe por me apontar na direcção da verdade.
Quando deixas ir a necessidade de ter razão, és capaz de fortalecer a tua conexão com o poder da intenção. Mas tem em atenção que o ego é um combatente determinado. Já vi pessoas terminarem relações, de certo modo bonitas, por aderirem à sua necessidade de estarem certas. Eu incito-te a deixar ir esta necessidade condutora do ego de ter razão parando-te mesmo no meio de uma discussão e perguntando-te, Quero ter razão ou quero ser feliz? Quando escolhes o humor feliz, amoroso e espiritual a tua conexão com a intenção é reforçada. Estes momentos expandem, em última análise, a tua nova conexão ao poder da intenção. A Fonte Universal irá começar a colaborar contigo criando a vida que estás destinado a viver.

4. Deixa ir a tua necessidade de ser superior
A verdadeira nobreza não tem a ver com ser-se melhor do que ninguém. Tem a ver com ser melhor do que tu costumavas ser. Fiqua centrado no teu crescimento, com uma consciência constante de que ninguém que está no planeta é melhor do que ninguém. Todos nós emanamos da mesma força vital criativa. Todos temos uma missão para realizar a nossa essência destinada; tudo o que precisamos para cumprir o nosso destino está disponível para nós. Nada disto é possível quando se te vês a ti mesmo como superior aos outros. É um velho ditado, mas nem por isso menos verdadeiro: todos somos iguais aos olhos de Deus. Deixa ir a tua necessidade de te sentires superior vendo a manifestação de Deus em todos. Não avalies os outros com base na sua aparência, realizações, posses e outros indícios do ego. Quando tu projectas sentimentos de superioridade é o que recebe de volta, levando a ressentimentos e, afinal de contas a sentimentos hostis. Estes sentimentos tornam-se no veículo que te leva para mais longe da intenção. Um Curso em Milagres visa esta necessidade de ser especial e superior: “A especialidade faz sempre comparações. É estabelecida por uma falta vista no outro e mantida por procurar e manter claro à vista todas as faltas que possa perceber.

5. Deixa ir a tua necessidade de ter mais
O mantra do ego é mais. Nunca está satisfeito. Não importa o quanto tu te realizas ou adquiras, o teu ego vai insistir que não é suficiente. Vai encontrar-se num estado perpétuo de esforço e eliminar qualquer possibilidade de alguma vez chegar. No entanto, na realidade já chegaste e como escolheste usar este momento presente da tua vida é a tua escolha. Ironicamente, quando tu páras de precisar de mais, mais do que desejas parece chegar à tua vida. Desde que estejas desapegado da necessidade, vais achar mais fácil transmiti-lo aos outros porque percebeste como precisas de pouco para estar satisfeito e em paz.
A Fonte universal está contente contigo mesmo, constantemente em expansão e a criar vida nova, nunca tentando manter as tuas criações para os teus próprios propósitos egoístas. Ela cria e deixa ir. À medida que deixares ir a necessidade do ego de ter mais, identificas-te com essa Fonte. Tu crias, atrais para ti e deixas ir, nunca exigindo que venha mais. Como um apreciador de tudo o que se manifesta, tu aprendes a poderosa lição que São Francisco de Assis ensinou: “… é dando que nós recebemos.” Ao permitirmos que a abundância flua em e através de ti, tu combinas com a tua Fonte e garantes que esta energia continuará a fluir.

6. Deixa de te identificares com base nas tuas realizações
Este pode ser um conceito difícil se tu pensares que és as tuas realizações. Deus escreve toda a música, Deus canta todas as canções, Deus constrói todos os edifícios. Deus é a fonte de todas as realizações. Posso ouvir o teu ego a protestar em voz alta. Não obstante, permanece sintonizado com esta ideia. Tudo emana da Fonte! Tu e essa Fonte são um! Tu não és este corpo e as tuas realizações. Tu és o observador. Nota tudo isso e está grato pelas capacidades que tens acumulado. Mas concede todos os créditos ao poder da intenção que o trouxe para a tua existência e da qual tu és uma parte materializada. Quanto menos precisares de ter os créditos pelas tuas realizações e mais conectado permaneceres com as sete faces da intenção, mais te libertas para realizar e mais te será mostrado para ti. É quando te apegas a essas conquistas e acreditas que fazes todas essas coisas sozinho que abandonas a paz e a gratidão da tua Fonte.

7. Deixa ir a tua reputação
A tua reputação não está localizada em ti. Ela reside na mente dos outros. Portanto, tu não tens controlo sobre ela de todo. Se tu falares com 30 pessoas, terás 30 reputações. Conectares-te com a intenção significa escutar o teu coração e conduzir-se com base no que tua voz interior te diz que é o teu propósito. Se estiveres excessivamente preocupado com a forma como vais ser apreendido por todos, então desconectaste-te da intenção e deixaste que as opiniões dos outros te orientassem. Trata-se do teu ego a funcionar. Trata-se de uma ilusão que permanece entre ti e o poder da intenção. Não há nada que possas fazer, a menos que te desligues da fonte do poder e te convenças de que o teu propósito é provar aos outros como és poderoso e superior, e desperdiça a tua energia a tentar ganhar uma reputação gigante entre os outros egos. Faz o que fazes porque a tua voz interior está sempre conectada e agradecida à tua Fonte pelo modo como a diriges. Permanece na intenção, desapegua-te dos resultados e assume a responsabilidade pelo que reside em ti: o teu carácter. Deixe a tua reputação para os outros discutirem; isso não tem nada a ver contigo. Ou como diz o título de um livro: O Que Tu Pensas de Mim Não é Assunto Meu!

Wayne W. Dyer, Ph.D.